"O Retrato de Dorian Gray" de Oscar Wilde

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010


"As criaturas vulgares esperam que a vida lhes manifeste os seus segredos, mas à minoria, aos eleitos, são-lhes revelados os seus mistérios antes do cair do véu. Ás vêzes, isto se dá por efeito da arte, e principalmente da arte literária, que se relaciona diretamente com as paixões e a inteligência. Mas, de vez em quando, uma personalidade complexa substituía e ocupava o ofício da arte; chegava a ser realmente, a seu modo, uma verdadeira obra de arte, pois a Vida, tal como a poesia, a escultura ou a pintura, produz suas obras-primas." (O Retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde)

Sinopse:
 
Versão de Oscar Wilde para o mito faustiano da perda da alma em troca dos prazeres mundanos, "O retrato de Dorian Gray" é um relato de decadência moral e punição, exemplo do humor cáustico e refinado de seu autor.

Dorian Gray é um belo e ingênuo rapaz retratado pelo artista Basil Hallward em uma pintura. Mais do que um mero modelo, Dorian Gray torna-se inspiração a Basil em diversas outras obras. Devido ao fato de todo seu íntimo estar exposto em sua obra prima, Basil não divulga a pintura e decide presentear Dorian Gray com o quadro. Com a convivência junto a Lorde Henry Wotton, um cínico e hedonista aristocrata muito amigo de Basil, Dorian Gray é seduzido ao mundo da beleza e dos prazeres imediatos e irresponsáveis, espírito que foi intensificado após, finalmente, conferir seu retrato pronto e apaixonar-se por si mesmo. A partir de então, o aprendiz Dorian Gray supera seu mestre e cada vez mais se entrega à superficialidade e ao egoísmo. O belo rapaz, ao contrário da natureza humana, misteriosamente preserva seus sinais físicos de juventude enquanto os demais envelhecem e sofrem com as marcas da idade.


Fascínio! É a única palavra que me vem a mente quando me recordo da leitura de Dorian Gray. Como tudo na vida, o que nos é proibido, é gostoso, tentadoramente irresístivel. E Henry Wotton vem desmistificar para Dorian Gray, o pecado em toda a sua glória. Todos os desejos reprimidos, pensamentos ocultados sob o véu do medo e da moralidade, Henry expulsa com ideias totalmente insanas. Para ele, o que vale realmente é o agora, enquanto, somos jovens e belos, e possuímos o mundo a nossos pés.

Li-o aos poucos como quem quer provar vagosamente algo realmente tentador... Henry não somente fascina Dorian, fascina ao leitor. Fascinou a mim. Suas ideias... ahh, se dessemos asas a elas, seriamos totalmente pervetidos e mundo seria um caos maior do que já é... Por outro lado, nossa alma, ahhh, essa sim, seria digna de análise.

"Aquele retrato seria para êle o mais mágico dos espelhos. Do mesmo modo que lhe havia revelado seu próprio corpo, haveria de revelar-lhe sua própria alma."

Em muitos momentos, durante a leitura, eu parei para refletir... se eu tivesse um retrato que mostrasse como minha alma realmente é, o que ele mostraria? Confesso que não gostaria de ver. Com Dorian não foi diferente, em diversas ocasiões, ele tinha nojo e medo de olhar-se no retrato e ver como sua alma estava manchada. Porém, em outros momentos, ele ficava enamorado por sua pervesidade e face manchada pelo pecado.

Houve uma parte, no ápice da trama, em que eu tive que parar a leitura, foi demais para mim. Ele me causou nojo. Repugnância. Como Dorian pode machucar a única pessoa que se importou com ele? A única que indicou o caminho certo a percorrer e a única que acreditou que ele era um ser livre de pecados? Parei durante dois dias de ler, eu não conseguia chegar perto do livro tal foi minha dificuldade de compreender o que havia se passado.

Cinco estrelas é pouco para classificar esse livro. Simplesmente, ele mostrou mais de mim mesma, do que jamais eu gostaria de ter lido. Há não ser que você seja santo, você também se identificará com Dorian Gray, o anjo caído.

Sublinhei algumas passagens, não poderia deixar de fazer. Algumas conversas de Henry com Dorian são extraordinariamente complexas e profundas e, por isso, destaquei minhas preferidas, vejam:


"Alguém morreu por amor a você. Gostaria de ter vivido uma tal experiência. Far-me-ia amar o amor pelo resto da minha vida". (Henry Wotton)


"...Converte-se em espectador de sua própria vida é escapar aos sofrimentos da vida."

"O pecado é algo que inscreve por si mesmo no rosto de um homem."

"Para recuperar minha juventude, seria eu capaz de tudo no mundo, menos de fazer ginástica, levantar-me cedo ou ser respeitável." (Henry Wotton)

"Você pode crer que se encontra inteiramente seguro e cheio de forças. No entanto, a simples tonalidade de um aposento, um céu matinal, um perfume singular que você amou um dia e que lhe traz sutis recordações, um verso esquecido de um poema que volta à sua memória, um ritmo de uma peça musical que você deixou de tocar - digo-lhe, Dorian, que é de coisas assim que depende nossa vida."


* Os possíveis acentos e palavras antigas que contém nas frases, é explicado pela edição que é do ano de 1972. Confesso! Adoro um livro velho e amarelado pelas marcas do tempo. Nada mais encantador e mágico do que ler em uma edição antiga. 

Ps.: Só não tente cheirá-las, você poderá morrer de tanto espirrar. rs! 


O livro mais uma vez foi adaptado para as telonas, em 2009. Infelizmente, ainda não chegou ao Brasil, nem tem previsão. O elenco conta com a presença de Ben Barnes (“As Crônicas de Nárnia”, “Stardust”) no papel de Dorian Gray, Colin Firth como Lorde Henry Wotton, Ben Chaplin como Basil Hallward e Rachel Hurd-Wood como Sibyl Vane.

Veja mais em:

- Oscar Wilde e suas obras, site oficial.

13 comentários:

Lia disse...

Olá Dominique
Parabéns pela resenha, esse livro é realmente muito bom, li há muito tempo atrás, estou precisando relê-lo. Um clássico é sempre bom, né?
Gostei muito do seu blog, vi que vc é uma leitora ávida como eu.
Bjs

André disse...

Toda vez que vejo esse nome, "Dorian Gray", em algum lugar, não posso evitar que minha curiosidade e paixão se acendam... Entendo perfeitamente cada palavra que vc usou para descrever suas percepções relacionadas ao livro. Minha edição tb é 1972... xD
Belíssima análise! Eu acabei baixando o filme mesmo sem legenda... E te digo que é fascinante! Apesar de não ter conseguido compreender os diálogos como um todo, o filme é bem fiel à história... E mal posso esperar para que ele chegue ao Brasil!!!!

Bjo enomrme Dominique!!! =D

La Sorcière disse...

Oi querida!
Li este livro há muuuuuuiot tempo atrás e acho que vale uma releitura, agora que estou mais madura...

Daniela Tiemi disse...

Oi!!! Nossa, eu realmente preciso ler este livro, mas sempre dou prioridade a algum outro. Não farei mais isso. Vou lê-lo imediatamente! rsrs. Sua resenha ficou ÓTIMA!!! Ameii. Bjinhos.

Daiane Santo disse...

Eu li O Retrato de Dorian Gray há muito tempo.Também adoro essa obra e todos os aspectos analíticos e psicológicos que o livro divulga.Oscar vai a fundo ao escrever o medo,angustia,orgulho e preconceito,caracteres inerentes ao ser humano.Dorian Gray foi envolvido e escravizado pelas sua fraquezas,vaidade e acreditou em um mundo perfeito--baseado na eterna beleza e juventude--pintada pelo Henry.O livro é incrível,quero rele-lo também,afinal,os grande clássicos merecem!

Iris disse...

Eu tenho muita vontade de ler esse livro. Eu acho que vou comprar da próxima vez. Parece ser ótimo.
:*

Coelha disse...

Amiga, amei demais o post! Maravilhoso! Parabéns. Vc me fez lembrar dos sentimentos que experimentei quando li o livro. E isso me lembra: YES, eu consegui fazer vc lê-lo, finalmente!!!

Agora, essa foto do Dorian, amiga... (suspiro) me fez perder o fôlego. Literalmente! Quer me matar do coração, é? Ele tá muuuuuito lindo!!!

Giu Fernandes disse...

Oii Dominique,
menina adoreiii sua resenha!!! hahaha
confesso que ja tinha visto algumas resenhas sobre esse livro antes, mas nunca me empolguei!
Mas parecee ser um livro ótiiimo!! Mesmo com essas partes tristes e tudo o mais, vou colocar na minha lista :))
beiijos

André disse...

Baixei as legendas do filme... E assisti novamente... Muito bom mesmo! ;D

Dominique disse...

Oba, André!!! Me passa os links depoiis. ;)

tjas disse...

Muito bom! =)
É um dos clássicos da literatura (ah, eu adoro os clássicos!) que eu ainda não lí, mas pretendo fazê-lo em breve!
Abraços.

=)

thiago_tjas

Patricia Gomes disse...

Um dos clássicos que mais amei... também parei várias vezes para refletir... imagine só um espelho que reflete nossa alma... dá até medo!!
É um livro que consegue nos amedrontar e nos fazer refletir ao mesmo tempo em que nos faz virar as páginas avidamente para ler o final!!

Mari disse...

Leitura instigante e surpreendente!Também senti nojo do personagem em certos momentos da trama...

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela