{Admirável Mundo Literário} O mundo literário de luto por José Mindlin

segunda-feira, 1 de março de 2010



Conheci-o a pouco tempo. Um dia passeando pelo skoob, vi que minha querida amiga Lili estava lendo "No mundo dos Livros, de José Mindlin". Li o primeiro capítulo do livro e me apaixonei, procurei por outras obras. Descobri que esse senhor de 95 anos era uma grande bibliófilo (amigo dos livros) e me encantei. Sua vasta biblioteca com 40 mil obras, entre elas muitos raros, me deixou babando e no mundo das nuvens. A pergunta que me assaltou: será que ele leu todos esses livros? Se sim, UAL! Se não, mesmo assim, é um grande tesouro que ele possuía. Fiz as contas... quando eu tivesse com sua idade, mantendo um ritmo de 50 livros por ano, eu teria lido uns 4.700 livros. rsrs!!! Sei que são divagações de uma louca por livros, mas foram essas as ideias que me passaram pela cabeça naquele momento.

E hoje, nos perdemos esse grande leitor. Foi com lágrimas nos olhos que li a matéria que informava seu falecimento. Que José Mindlin esteja em paz para onde quer que seu espírito tenha ido.

Esse fascinante leitor, me conquistou tanto, tanto. Sua vida é simplesmente admirável. Seu apoio e incentivo a leitura foram essenciais e como ele mesmo ressaltava: "Quem não lê, não sabe o prazer que perde." 

Se há um ideal a ser atingido por mim, talvez seja ser como José Mindlin um dia e semear pode onde eu passar o amor que me assola pelos livros.

O Herói dos Livros

Larissa Roso

José Ephim Mindlin fez pelos livros o que na TV e no cinema se faz por amor: perseguições, viagens a paragens distantes motivadas por uma última esperança, rastreamento de pistas nem sempre confiáveis, negociações dispendiosas e demoradas. O dono da maior biblioteca privada do país agora acrescenta aos elementos anteriores mais um item que parece ficção: prestes a completar 93 anos, Mindlin não consegue mais ler. Uma ironia da vida, na falta de definição mais certeira, que força o bibliófilo, com um problema na mácula (um ponto da retina), a depender de alguém que faça a leitura em voz alta.
- Várias pessoas lêem para mim. Em geral, moças. Marmanjo é menos interessante - conta o empresário que recebeu ontem à noite, em cerimônia no Circo da Cultura, o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Passo Fundo.
Mindlin tem hoje, espalhados por cômodos e anexos da casa onde mora há 60 anos, em São Paulo, 38 mil títulos catalogados ao longo de oito décadas. Se o acervo fosse contado em unidades, beiraria os 50 mil, numa estimativa do dono.
- Como no Vaticano, meço por quilômetros. São uns dois, três quilômetros - brinca.
Em 2006, Mindlin perdeu a companheira de vida e de hobby: Guita morreu aos 89 anos. Viajante freqüente, o imortal da Academia Brasileira de Letras não ficou só: perambula sempre com um dos filhos. A Passo Fundo, foram os quatro: a antropóloga Betty, a designer Diana, o engenheiro Sérgio e a socióloga Sônia.
Quando começou a andar pelo Brasil e pelo Exterior, Mindlin estabeleceu um método para a garimpagem de novos títulos e raridades: ao chegar a um destino, abria a lista telefônica e se programava para visitas a sebos e livrarias. Certa vez, aproveitou um convite da Air France para um vôo inaugural do trecho Buenos Aires - Paris e foi tentar pôr fim a uma busca que o vinha agastando: encontrar um exemplar raríssimo de O Guarani, de José de Alencar. Pagou US$ 4 mil.
Andou agarrado à obra-prima até retornar e, no avião, dormiu com o livro no colo. Ao acordar… Cadê? Chegou em casa e anunciou, faceiro:
- Guita, sabe o que eu encontrei em Paris?
- O quê?
- O Guarani!!!
- Ah, mas que coisa formidável!
- É, mas já perdi!
Ainda que o humor de Mindlin estivesse a salvo, a companhia aérea conseguiu localizar e devolver o livro.

Fonte: Mundo Livros

5 comentários:

Agulha3al disse...

Ironia de um grande leitor/escritor ser cego que também aconteceu com Borges.

Carol disse...

Que pena que só ouvi falar de José Mindlin no dia de sua morte, Mas, vendo sua grande paixão por livros me encantei com ele! COM CERTEZA: Quem não lê, não sabe o prazer que perde!

Bjs

Daiane Santo disse...

Em um país onde há poucos leitores e a literatura,mesmo a nacional,é pouco apreciada e divulgada,Mindlin é mais que um exemplo,é raridade.Quando o vi na tv,sua história linda e brilhante,fiquei estagnada.Quanta contribuição ele não nos forneceu,colecionando anos e anos clássicos,para agora disponibilizá-los para o leitor comum.Ele não deixa tristeza,só felicidade,muita,muita felicidade.
Que esteja em paz!

Mi Müller disse...

Oi moça, adorei teu blog, pena que o post de hoje é tão triste para nós bibliófilos!

estrelinhas coloridas...

Célia Costa (Celly) disse...

Verdade, concordo com a Mi, realmente é uma tristeza saber sobre o falecimento do Mindlin, eu nem estava sabendo, fiquei chocada ! Estou louca para ler os livros dele, fiquei sabendo a respeito dos livros e da biblioteca maravilhosa lá no blog da Mi...amei seu último paragrafo, eu sinto tanta dificuldade em incentivar amigos e familiares a lerem, sorte que pelo menos com meu filho eu consegui.
Beijos !

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela