A Solidão dos Números Primos

terça-feira, 6 de julho de 2010


As escolhas são feitas em poucos segundos e se pagam durante o resto da vida. (pag. 277)

Mattia e Alice conheceram-se por uma triste coincidência na infância, ambos estavam em um lugar desconhecido onde ninguém ali se importavam com eles, pelo contrário, menosprezavam-os. Porém, até aquele momento Alice não sabia disso e Mattia tinha seus motivos para estar presente, seja por qual motivo foi, o importante é que o destino haviam unido duas pessoas tão parecidas intimamente, mas que por mais que tentassem nunca conseguiam alcançar um ao outro.

Mattia tinha uma irmã gêmea, Michella, que em dado momento desaparece de sua vida por motivos que ele entende profundamente, pois ele havia sido o culpado. O buraco deixado em seu peito aliado a culpa que o transtornava, Mattia aliviava sua dor se auto-flagelando, ora com queimaduras, ora cortando-se.

Quando era criança Alice foi obrigada a fazer o curso de esqui, que tanto satisfazia ao seu pai, porém esta nunca disse-lhe dos medos e do desconforto que sentia. Um dia se afasta do instrutor de esqui e acaba sofrendo um acidente que marcaria seu corpo pelo resto de sua vida. Essa mutilação custou sua alegria e relacionamento familar, pois nunca mais permitiu que seus pais se aproximassem e culpava seu pai pelo acidente que custou sua perna. Sua forma de mutilar-se era comendo o mínimo possível, vivendo dias somente de água. Alice desenvolveu verdadeiro horror a comida.

Carregando pesados traumas de infância, Mattia e Alice eram pessoas solitárias e arredias que afastavam todas as pessoas em volta. O mundo somente ficava melhor quando estavam juntos, pois ambos respeitavam o silêncio um do outro, não precisavam de respostas para seus questionamentos ou tão pouco de exigências, juntos eles continuavam ainda a viver no singular. Por isso, o título "A Solidão dos Números Primos", pois esses números nunca encontram na vida um par, são sempre solitários, isolados, únicos, sem possibilidades, pois dividem-se apenas por eles mesmo ou por 1, nunca a mais que isso. 

Esse é um livro singular e extremamente triste. Ao acompanhar a vida e as escolhas de Mattia e Alice você sofre, se enternece e ao mesmo tempo sente raiva dos dois, pois ambos são apáticos diante da vida. Não vivem, vegetam. Eles não reagem com nada, apenas fecham-se cada vez mais para o mundo e vivendo somente para eles mesmos, a única válvula de escape que existia era quando estavam juntos, mas mesmo assim, eles nunca permitiram que as barreiras impostas por ambos fossem derrubadas por alguns segundos, Alice e Mattia sentiam-se seguros na solidão.

A parte que mais doeu, foi quando acabou o casamento de Alice e Fábio. Fábio que desejava apenas a dádiva de ser pai e Alice com sua aneroxia não podia e também não queria conceder-lhe esse desejo. A forma como ela entrega-se ao nada e quase morre por falta de alimento é estupidamente triste. Mesmo quase morta, ela não admitia a verdade para si mesma, que precisava de ajuda. 

Pessoas como Alice e Mattia vivem aos montes por aí. Pessoas que perderam a vontade de viver e que passam seus dias esperando unicamente a morte ou o nada. Eu não sei viver assim, nunca conheci um livro tão oposto aos meus sentimentos, as minhas concepções. Há momentos que a vida deles passa a ser uma tortura pro leitor, momentos de pura claustrofobia.


Minha classificação para esse livro é de ♥ 6/7- Excelente.

12 comentários:

Lili disse...

Ah, eu quero tanto ler esse livro! Se vc for trocar me avisa! rsrs

Adorei sua resenha! E mesmo o livro sendo triste morro de curiosidade...
bjssss
Lili

Italo _correa disse...

Humm o livro parece ser triste mesmo,nunca tinha visto um livro assim em que os personagens "vegetam",deve ser horrível de triste,e vc também nem falou sem te um final feliz rsrsrsrs afinal iria estragar o livro!! :)
Gostei da resenha!!
Fico lendo as suas resenhas nique e outras e fico com raiva de não poder comprar os livros logo!!! rsrs
#paciência :)

Dominique disse...

Lili e Italo, eu peguei esse livro emprestado com uma amiga. Eu adorei!

Italo, realmente os livros são muito caros, mas qdo não posso comprar eu leio o ebook. =)

Bjjs

Bianca Briones disse...

Puxa... Parece bem triste, né?
Apesar disso eu gosto de ler livros assim.

Amei essa frase: "As escolhas são feitas em poucos segundos e se pagam durante o resto da vida."

Quero ler.

Beijos.

Vanvan disse...

Ah, eu sou louca para ler este livro, até já vi que tem em e-book, mas não é a mesma coisa que segurar o livro na mãos, prefiro esperar o preço diminuir um pouco...
Beijo

Enderson Rafael disse...

Capa bacana, título excelente. Lembrou-me "Contato", mas só por conta da matemática heheh beijo enorme!!!!

Lia disse...

Oi, Dominique
Sua resenha está ótima, viu? Bjs

αηδψϊηћα ஐβϊττψஐ disse...

Livro triste...medo de ler...
To numa fase alegre agora...

Daiane Santo disse...

Nossa, o livro parece se forte, trabalha sua alma - seja de que forma for - e mexe com você. De certa forma, gosto disso. Gostei bastante da sua resenha e dos comentários singulares e precisos sobre a obra, parabéns!!

Luiz Felipe disse...

Olá, te indiquei com uns prêmios.
depois visite o meu blog e veja \o/
http://imaginarium777.blogspot.com/
abraços!!

εїз ViViAn ★ Sbrussi /(",)\ disse...

parece ser uma história muito triste!

=D

Marcia Lopes disse...

Amei a resenha , nãao conhecia o livro e curti muito o blog!
http://mundoliterando.blogspot.com.br/

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela