Gone - O mundo termina aqui - Michael Grant

domingo, 7 de novembro de 2010



Um acidente causa o desaparecimento de todas as pessoas acima de 14 anos de uma cidadezinha litorânea. Crianças e adolescentes terão que aprender a sobreviver e a cuidar uns dos outros, na ausência de adultos. Mas sem adultos para controlá-los e para impor regras, as coisas saem completamente fora dos trilhos, forçando os pequenos habitantes da cidade, a amadurecerem precocemente. Conheçam GONE - O mundo termina aqui.

Praia Perdida definia perfeitamente o nome do local onde Sam morava. Um lugarzinho ermo no meio do nada, com ondas maravilhosas e paisagens paradísiacas. A cidade era tão pequena que todos se conheciam, se não pelo nome, pelo menos de vista. Mas naquela manhã, um acontecimento mudaria tudo na vida de todos os habitantes daquela praia. Todos as pessoas acima de 14 anos de idade, desapareceriam, sem deixar vestígios. Nada.

Sam Temple assistia aula de história, quando seu professor, simplesmente sumiu. Imediatamente, todos os alunos começaram a perceber que todos os adultos da escola haviam desaparecido, inclusive, alguns alunos dos anos mais adiantados, que eram um pouco mais velhos que eles. Extremamente pertubado com a situação, Sam e seus amigos Astrid e Quinn vão em busca dos seus pais, na esperança de encontrá-los em casa ou no trabalho. Porém, a busca mostra-se em vão, pois realmente todos os adultos desapareceram. A situação torna-se caótica ao perceberem que o resto da cidade estava igualmente um desastre, com crianças pequenas soltas pelas ruas, bebês para alimentar, carros com alarmes tocando, casas incendiando e com aparelhos eletrodomésticos ligados. Um caos.

Sam Temple, conhecido por ter salvado certa vez o grupo de passeio da escola em um acidente de ônibus e por ter-se mostrado corajoso ao entrar em um incêndio para salvar uma menininha, as crianças começam a enxergar nele um herói, um lider para aquele momento de dificuldades. Porém, ao contrário do que todos pensam, ele não se considera um herói, nem um lider, pelo contrário, ele sabe que já tem sua cota de pecados e não quer de jeito nenhum assumir a liderança da cidade. Qualquer um, menos ele, deve assumir essa função, ele pensa.

Sem um lider presente, os valentões da escola, Orc e Howard, começam a assumir a liderança e a causar muitas confusões. Porém, para completar o nível de desordem, surge na cidade, os riquinhos da Academia Coates, uma escola para onde são enviados os filhos problemáticos da nata de Praia Perdida. Liderados pelo sádico Caine Soren, seguido por Drake e Diana, esses adolescentes promoverão muito mais que uma revolução sangrenta em Praia Perdida, causarão a primeira batalha entre o bem e o mal.

GONE é um livro difícil de engolir para aqueles que possuem estômago fraco. Digo isso porque ele possui passagens bastante violentas, promovidas por crianças e adolescentes. O autor não poupou ao relatar a morte de crianças por esquecimento, por acidentes e por violências realizadas por outras crianças. Sim, a narrativa é bastante crua e questiono-me como ele foi obter o selo da Galera Record, quando deveria ser lido apenas por - no mínimo - um público acima de 16 anos.

O cenário criado por Michael Grant é desolador. Bebês e crianças pequenas abandonadas a própria sorte na cidade, que aliás, está em ruínas nas mãos de adolescentes imaturos e inconsequentes. Para amenizar a perda e compensar o estrago, alguns personagens aparecem para cuidar dos pequenos, tratar dos feridos e promover o alimento. Outra coisa, que é alarmante, é a falta de alimentos. Sem ninguém para cuidar das hortas e trazer os alimentos, os produtos que tem na cidade estão se esgotando rapidamente e quando acabar como eles sobreviverão?

O livro é repleto de ação e suspense. O sobrenatural também é abordado ao compreendermos que alguns habitantes da cidade já vinham desenvolvendo alguns poderes, como por exemplo, manipular elementos, força, cura, entre outros. 

Uma das partes mais abomináveis do livro é quando o leitor descobre que o cruel Drake para evitar que outros alunos da Coates manifestassem seus poderes, prende-lhes as mãos em baldes de cimento. Para alimentar-se, essas crianças precisam comer com a boca no prato, como animais e a depositarem seus dejetos em qualquer canto. Vejam a seguir uma citação sobre ele:

"Ele estava ali. No fim do corredor. Parado com um rifle pendurado no ombro e uma pistola na mão.
Astrid quase desmaiou.
Drake riu, levantou a pistola e mirou.
Astrid empurrou o pequeno Pete para o quarto e entrou depois dele.
Bateu a porta e virou o trinco. Depois acrescentou a tranca de segurança.
Um barulho incrivelmente alto.
Surgiu um buraco do tamanho de uma moeda na porta, com o metal franzido para fora.
Outra explosão e a maçaneta estava pendurada pela metade.
O pequeno Pete poderia salvá-los. Poderia. Ele tinha o poder, mas ainda estava calmo, ainda não percebera nada.
Inútil.
A varanda. Era a única saída."
(GONE - p. 264)

Drake é um personagem cruel até a última fibra de seu cabelo. Ele tem prazer quando machuca e causa o mal de alguém. E, quando o leitor pensa que ele não pode ficar pior do que estava, surpreende-se ao constatar que o garoto consegue ser mais ruim do que nas vezes anteriores.

O mais interessante no livro é que de imediato nós sabemos que Sam Temple é o herói da história, porém, ele recusa-se a aceitar esse fato, pois tem medo do que o poder pode fazer com ele e não quer de jeito nenhum, transformar-se em um lider autoritário e violento, como Caine. 

Seus amigos vem complementar o quadro, sempre ajudando-o e apoiando-o nos momentos mais difíceis. Novamente Michael Grant prova que não é um clichê ao colocar o melhor amigo de Sam, como o cara medroso e que deixa os amigos na mão, quando eles mais precisam. Houve momentos em que eu tive vontade de bater no Quinn e sacudi-lo até o juízo e a lealdade entrar na sua cabeçinha oca. Apenas Astrid e Edilio provam sua lealdade irrestrita em todos os momentos. 

GONE apesar da violência extrema, é um livro que não deve ser menosprezado, pelo contrário, a atenção do leitor é presa da primeira página a última do livro. Impossível não gostar e não arfar de tensão a cada virada de página. Simplesmente, RECOMENDO.

Minha classificação para esse livro é de ♥ 6/7- Excelente.
Série Gone 
1. Gone
2. Hunger
3. Lies
4. Plague

17 comentários:

Livs disse...

Eu gostei muuuuito de GONE, mas realmente, é beeem brutal. É quase bizarro!

iluj disse...

po to loka pra ler esse livro apesar d ter umas partes bemmmm brutais...rsrsrs parabens pela resenha , amei e me deixou c mais vontade d ler

Rafael disse...

Adorei a resenha.
Deve ser muito bom, mesmo!

Isso me lembrou Jogos Vorazes, que, aliás, começarei hoje a Parte 2. ^^

Essa brutalidade choca, mas é a marca registrada dos livros. Isso que é legal. Às vezes lemos um livro que não nos deixa marca alguma. Estes, dificilmente não o fazem. :D

Beijos e ótima semana, Nique!
@bart1_178
http://lembradaquelahistoria.blogspot.com/

Nica Morgan disse...

Tinha lido outras resenhas sobre o livro, mas não como essa! Nenhum descreveu como a violência é tão forte.. fiquei surpresa!

Fiquei com muita vontade de ler, mas acho que vou ficar muito nervosa com ele também :P

Abraço o/

A. Déborah disse...

Desde que eu li a sinopse eu me interessei por ele mesmo que vários blogueiros tenham citado a violência nele. Acho que Gone é uma história bem criativa. Só tem um defeito: ser uma série tão longa. Vai levar pelo menos mais uns 4 anos pra série inteira chegar aqui.
Sua resenha foi perfeita!!

viajenaleitura.com.br disse...

Nique!

Você gostou de Gone! Quero tanto ler!

Juh Oliveto disse...

Niiique,
não li a resenha toda, sooorry.
Mas quero TANTO ler esse livro que fico com medo de ler qualquer coisa a respeito.

Gostei do pouco que li, anyway :P

Beijocas!
Juh Oliveto
Livros & Bolinhos ~

Paula disse...

Muita vontade de ler... comprei, mas falta o tempo... :\
me lembra O Senhor das moscas...

Nanda disse...

Ei Nique,

Apesar das cenas de embrulhar o estômago eu amei este livro. Estou louca pela continuação.

bjoo

La Sorcière disse...

Eu quero muito ler, acho que foge do convencional, surpreende... livro tem q ser assim: mexer com a gente de algum jeito!
Bj

Celsina disse...

Eu amei esse livro!
E confesso que não espera tanto, Gone é um dos livros que mais gostei em 2010 =)

Beijinhos!

Lili disse...

Hum, não sei se tenho estômago pra ler esse! rs
Crianças violentas? Assassinadas? Ai ai, basta o mundo que vivemos...
Acho que esse eu passo!

Mas, adorei ter lido a sua resenha! Super sincera...
Valeu Dominique!

Bjs
Lili

KaahCullen_ disse...

adoorei a resenha
quero mt leer esse livro
tds dizem ser otimo *-*

Daniela Tiemi disse...

Eu estou lendo e gostando do livro. Realmente têm umas partes fortes e situações cruéis... Gosto mto de Sam, Astrid e Edilio, mas realmente tem hora q dá vontade de socar o Quinn!!! rsrs.
Bjo.

Nelson L. Rodrigues disse...

Gosto muito do layout do seu blog, ficou com um ar bem clássico.

parabens

Josiane Lima disse...

adorei a resenha.
li esse livro agora há pouco. Achei perfeito. NECESSITO DE CONTINUAÇÃO.

Marília Maciel disse...

Esse é mais um dos tantos livros que estão na minha estante, à espera para ser lido! Só li resenhas positivas sobre ele, mas é o mesmo caso da série Hush hush, não gosto de ler um livro sem ter a continuação em mãos, principalmente porque esqueço rápido os detalhes...mas que tô doida pra ler esse livro há tempos, estou!

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela