"Como ser solteira" de Liz Tucillo

terça-feira, 1 de março de 2011


Liz Tuccillo, famosa pela coautoria no livro "Ele simplesmente não está a fim de você", estreia na ficção com o chick lit "Como ser solteira". Acompanhe Julie Jenson e suas amigas nessa aventura. 

Julie Jenson é uma mulher bem-sucedida profissionalmente como assessora de imprensa, tem amigas que a adoram, mora na melhor cidade do mundo, Nova York, mas aos 38 anos ainda é solteira. Não que ela reclame de seu status, pelo contrário, ela está bastante satisfeita, bela e independente, ela sai para a night para se divertir e não para arranjar um "gatchenho". Até porque achar o par ideal está cada dia mais difícil em uma cidade onde os homens "bons" já foram fisgados ou não querem um compromisso mais sério e os querem sempre tem um defeito. 

Suas amigas, no entanto, não tem sido tão bem-sucedidas assim com o status solteira, algumas até andam meio surtadas como a recém separada Georgia, que perdeu o marido para uma sambista brasileira e quer arranjar a todo custo um novo namorado, mesmo que para isso tenha que tomar atitudes extremas. E a  pobre Ruby que após três meses ainda sofre de depressão pela morte de seu gato? Após costatar que os homens não prestavam e não mereciam atenção, ela pensava havia finalmente encontrado alguém parar amar e para amá-la, mas de repente, o pobre felino Ralph morre e seu mundo desaba novamente.

Suas outras amigas também não estão em um estado melhor. Serena é uma mulher naturalmente linda,  mas que desistiu de procurar o amor, quando chegou a conclusão de que deve procurar sua paz interior e amar a si mesma, antes de amar outro alguém. Para isso, ela busca viver uma vida natural, com bastante tranquilidade e sem baladas, busca encontrar a beleza em tudo e todos... até desiste de fazer sexo ocasionalmente. A doce e bem-sucedida Alice era bastante feliz até levar um fora do namorado. Como assim ele descobriu após um longo tempo juntos que não quer um relacionamento sério? Ela decide, então, demitir-se de sua carreira como defensora pública e começa a preencher o tempo livre buscando um namorado em todos os meios possíveis e disponíveis, desde a internet até mesmo a cursos de canoagem, escalada, etc, afinal, seu verdadeiro amor pode estar em qualquer lugar e ela tem que estar presente quando ele aparecer.

Para ajudar Georgia a descobrir o lado positivo de ser solteira, Julie aceita o pedido desesperado de sua amiga de levá-la para divertir-se na night, para isso, ela chama Ruby, Alice e Serena para ajudá-la nessa empreitada. Afinal, quem melhor do que incuráveis solteiras para ajudar a dar as boas-vindas a nova convidada? 

Após uma noite decepcionante em muitos aspectos, Julie larga o emprego e decide fazer um tour por alguns países para entender como as mulheres se relacionam e lidam com a questão do ser "single".

~ ~ ♥ ~ ~

O que era para ser um livro, no mínimo, divertido, tornou-se um tédio para mim. Não que o livro seja ruim, nem nada, mas simplesmente nós esperamos, geralmente, dos chick lits, algo divertido, engraçado, apesar das circunstâncias totalmente avessas. Gente, é sério, as amigas de Julie, ao contrário do querem provar para o mundo, são totalmente dependentes de um "macho" para viver. Somente no desenvolver da história, que elas percebem que há outras opções além do sofrer, esperar por um homem. 
Julie em sua volta ao mundo por respostas também amadurece bastante. Ela se diverte, faz amigos, se apaixona, se decepciona, mas cresce como pessoa e é exatamente esse ponto que faz o livro valer a pena ser lido. Enquanto ela viaja, sua amigas em Nova York passam por poucas e boas, mas também aprendem importantes lições. 
Apesar de não ter lido o livro "Comer, rezar e amar", eu vi o filme e em alguns momentos durante a leitura, ele me lembrou muito a história de Elizabeth, que também decide fazer uma viagem por alguns países em busca de algumas respostas, mas principalmente, em busca de si mesma. Não sei se Liz, de repente, se inspirou na história, mas deu a impressão que foi isso que aconteceu, sim. 
Enfim, talvez eu não tenha gostado tanto assim do livro pelo fato de que somente fui solteira por 4 meses, em 9 anos de namoro. Durante um tempo, eu me senti bastante sufocada e pressionada pelo longo tempo de namoro. Quando eu terminei o noivado, no entanto, mesmo por um curto período, eu AMEI ser solteira. AMEI sair sozinha e paquerar bastante, sem o intuito, no entanto, de ficar com ninguém em especial. Mas esse curto espaço de tempo em que ficamos separados, somente me mostrou que eu estava apenas fugindo de mim mesma e dos meus sentimentos... em 4 meses, eu cheguei a conclusões que muita gente demora anos para descobrir. Claro que tive amigos para me ajudar a refletir, uma delas, inclusive, me falou: e daí que você achou o amor da sua vida aos 14 anos e é apaixonada por ele até hoje? O que você quer, afinal, bater cabeça por aí, até chegar a conclusão de que perdeu o amor da sua vida por pura imaturidade? Vocês já sabem que decisão eu tomei, certo? Casei-me e hoje sou uma mulher totalmente realizada. Não se será para sempre, mas como disse Drummond, que seja eterno enquanto dure.

Quanto ao livro, caro leitor, aconselho você a tirar suas próprias conclusões. Algumas amigas blogueiras gostaram bastante dele e no skoob, ele está muito bem cotado. Então, aventure-se! 


Minha classificação para esse livro é de ♥ 3/7- "Razoável".

11 comentários:

Celsina disse...

Ainda estou começando a me aventurar com os chick Lit.
Talvez se eu começar a gostar do estilo eu leia esse, mesmo sabendo que eles são um pouco depressivos =p

Beijo!

Mirelli Lima disse...

Adorooo quando isso acontece!
É ótimo saber que cada blogueira tem sua opinião, cada pessoa ao ler um livro o vê de um ângulo.
Então, eu havia realmente me interessado por esse livro, mas confesso que uma resenha negativa dentre várias positivas, para mim a negativa prevalece (aff).
Enfim, adoro chick lit mas por enquanto não vou me 'aventurar'.

Beijoooos,
Mirelli
;\

Nanda disse...

Ei Nique,

Achei o mesmo, tbm falei isso na minha resenha, pensei que o livro ia mostrar como as mulheres do mundo estavam bem solteiras mas é um monte de encalhada desesperada atrás de homem. rsrsrs

bjoo

thaorteg disse...

Hmmm, não faz meu estilo.

@thaorteg

Dominique Sampaio disse...

- Celsina: LEIAAAAAAAA CHICK LIT! É bom d+! Leia Marian Keyes!

- Mirelli: Acredito que independente do livro, temos que ser verdadeiras ao expor nossa opinião. Nem tudo é legal e bonitinho, há mtos livros que deixam a desejar, infelizmente.

- Nanda: Pois é, tb achei as personagens muito desesperadas por um parceiro, a coisa não é bem por aí.

- Ahhhh, THAORTEG você tem que começar a ler o gênero chick lit. É muito divertido! Esse livro somente perdeu um pouco, pq as mulheres são desesperadasssssssss! Do tipo, peloamordedeus preciso de um homem. Rsrss! Mas as partes engraçadas não ficam a desejar.

Anônimo disse...

Adorei o livro, sabe? Não sei pq, mas me identifiquei com o estar desesperada. Talvez seja reflexo do solteirismo agudo. Rsrsrs!

Becitos.

Ana.

Adriana disse...

Tenho 34 anos e estou solteira a 2 anos. Rsrsrs! Não sinto falta de um macho na minha vida, kkkkkkk, mas sim, de um companheiro, alguém para compartilhar. Acho que lerei o livro, talvez eu me identifique com alguma personagem.

Gostei da sua resenha sincera. Parabéns!

Beijos.

Dri.

Caline disse...

Oi Dominique é uma pena vc nao ter gostado do livro realmente parecia ser engraçado, mas td bem...

Vou deixar ele em stand by pro caso de mudar de ideia e resolver me arriscar a ler.

Caline (Mundo de Papel)

Nica Morgan disse...

Li poucos livross chick-lit. Leia-se: "O Diário de Bridget Jones" e "Melancia"!
Melancia não foi um dos meus favoritos :S. stou escolhendo qual livro chick-lit que devo ler em seguda huuheuhehu

Gostei da sua resenha, bem sincera. Mas mesmo assim, ainda quero ler o livro! Mas mais pra frente hehuehuehue

Falam que os livros da Sophie Kinsella são muito bons! Espero ter a oportunidade pra ler algum dia huehuehue!

beijos :***

sabrina disse...

Ei, Nickinhaaa!
Amei sua resenha! Adoro quando os leitores dão exemplos verídicos, assim vemos se a pessoa se envolveu ou não com a leitura, e a grande parte da magia de ler é viajar, e sem dúvidas, por vezes se colocar no lugar -)
bom, eu percebi, através das resenhas que li desse livros que ele é daquele tipo "goste, ou simplesmente desgoste.
Porque as opiniões são bem adversas..., e geralmente depende do estado civil do leitor... mas no seu caso, funcionou ao contrário, porque as casadas aparentaram gostar mais que as solteiras heheheh
Enfim, não li o livro, mas não está entre meus mais-mais desejados, e senti, através das resenhas que a autora pode ter "caricaturizado" demais a situação... será????

Livros minha Terapia disse...

Nossaaa depois dessa resenha e Opinião tensa da nossa querida Dominique... ainda esses comentários.. fiquei bem na dúvida não é meu estilo embora eu tenha lido Melancia...mas o fato de estar soletira a quatro anos está pesando bem para ler este livro ..rsrsrrs

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela