"Dragões de Éter: Caçadores de Bruxas", de Rafael Draccon

terça-feira, 12 de abril de 2011

Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltam contra as antigas raças. E assim nasce a Era Antiga. Essa influência e esse temor sobre a humanidade só têm fim quando Primo Branford, o filho de um moleiro, reúne o que são hoje os heróis mais conhecidos do mundo e lidera a histórica e violenta Caçada de Bruxas. Primo Branford é hoje o Rei de Arzallum, e por 20 anos saboreia, satisfeito, a Paz. Nos últimos anos, entretanto, coisas estranhas começam a acontecer... Uma menina vê a própria avó ser devorada por um lobo marcado com magia negra. Dois irmãos comem estilhaços de vidro como se fossem passas silvestres e bebem água barrenta como se fosse suco, envolvidos pela magia escura de uma antiga bruxa canibal. O navio do mercenário mais sanguinário do mundo, o mesmo que acreditavam já estar morto e esquecido, retorna dos mares com um obscuro e ainda pior sucessor. E duas sociedades criminosas entram em guerra, dando início a uma intriga que irá mexer em profundos e tristes mistérios da família real.

~ ~ ♥ ~ ~

Eu já sabia mais ou menos o conteúdo da saga, envolvendo contos de fadas e personagens fantásticos, então acho que a maior surpresa não me surpreendeu. Mas foi um bocado divertido ficar brincando de caça ao tesouro tentando decifrar aonde e quando o autor colocava suas influências da cultura pop em sua obra, representadas ali através da música (Hanson, Cobain, Axel, etc), pelos desenhos animados (Caverna do Dragão, Cavalo de Fogo (?), jogos e videogames de rpg (Final Fantasy) e uma dose de experiência pessoal.

É claro que quando chegou a parte de inserir Peter Pan na estória eu tive vontade de tacar o livro na cabeça do Raphael Draccon. Explico: ele transformou o maior dos maiores dos vilões, Capitão Gancho, num velho decrépito e babão. Desculpem-me, mas Gancho é meu ídolo-salve-salve-ninguém-toca-e-ponto.

Por outro lado, achei muitíssimo interessante – e até louvável – essa possibilidade que o autor apresenta em desconstruir aquele protótipo-Disney que temos dos contos de fadas. Essa questão do quanto a Disney descaracterizou os contos é amplamente discutida e sou de opinião que qualquer tentativa de se resgatar (ou aproximar) os contos de fadas do que eles realmente eram (ou deveriam ser) é extremamente positiva. Ponto pro autor.

É um livro fácil de ler (possivelmente não de escrever), mas que não recomendo a leitura de uma sentada só. Recomendo que se leia aos poucos, um capítulo ali, outro aqui. Não só porque os capítulos são curtinhos, mas porque atravessar todo o mundo de Nova Ether em um par de dias não é legal, você não se aproxima dos personagens como deveria e acaba criando barreiras e rótulos de “esse é legal” e “esse é bobão”. Lendo o primeiro volume da série em, digamos, duas semanas, você consegue absorver bem o conteúdo, torcer por quem quer torcer, entender o que o autor quer que você entenda e ainda assim ter uma leitura prazerosa.

E viva a fantasia nacional!

Por Janda Montenegro.

Minha classificação para esse livro é de ♥ 6/7- "Excelente".

9 comentários:

G. Kastmaker disse...

Já ouvi falar mto dessa série, mas eu não sabia muito bem do q se tratava, parece ser bem interessante, vou dar uma lida! Excelente resenha! Bjoos

kastmaker.blogspot.com

Hérida Ruyz disse...

Será que eu vou gostar?
Esse livro foi tão recomendado que fico com medo de me decepcionar. rsrs
Ótima resenha!

Náh disse...

Eu já havia lido algo sobre a série, mas também não sabia exatamente do que se tratava!
Ótima resenha!

Bjus,
Náh

Leituras e Fofuras disse...

Assim como todos, eu sempre ouvi fala muito muitooo sobre esses livros e sempres os quis mesmo sem saber muito sobre o que se tratava rs.
Eu acho ótimo que os autores nacionais estão vindo com livros tão bons e acho que mudando um pouco o conceito que as pessoas tem da literatura nacional.
Ótima resenha! Se eu conseguir o livro pra ler seguirei o seu conselho e não irei ler tudo de uma vez só pra conhecer bem os personagens.

Bjs.
The Lost Girl
Leituras&Fofuras

Elysanna Louzada disse...

Olá Dominique,
Ótima resenha. O Rafael Draccon está bombando mesmo.
Então... meu livro chegou. Ainda está de pé a resenha?
Me dá um toque se estiver interessada.
mande um email para eusouogalo@gmail.com
Beijos

thaic. disse...

Ah, sim, uma resenha pra me animar, rs.
Estava muito interessada na leitura da série, mas não achei muitas resenhas. Ouvi uns comentários positivos, mas a maioria falava de um modo que me deixava a pensar que o livro nada mais era que uma grande bagunça. De algum modo, o segundo livro me parece mais apetitoso que o primeiro. Mas eu preciso passar pelo primeiro antes, rs. Vou esperar para comprar, contudo. Não sei, deu uma esfriada agora, então vou esperar uma promoção esperta do submarino.
Beijo, beijo,
Thai,
~TrêsLápis~

Vancine disse...

Eu comprei os três livros, tomara que seja uma leitura interessante.

Mars £K9£ disse...

O começo é chatinho, mas depois fica perfeita a história.

Kássia M. disse...

Quando olho as orelhas desse livro não me dá vontade de ler, mesmo mesmo. Parece que será uma leitura meio rala, apenas mais uma dessas histórias bobinhas. Tenho medo de ser apenas um enredo mais ou menos com uma capa bonita, como dizem ser o caso de A Batalho do Apocalipse.

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela