"A vida em tons de cinza" de Ruta Sepetys

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012


 
“... o mal irá governar o mundo até o dia em que os homens e mulheres bons decidirem agir.
(...)
Talvez estes papéis lhe causem choque ou horror, mas não é essa minha intenção. Minha maior esperança é que estas páginas despertem sua mais profunda compaixão. Espero que levem você a fazer alguma coisa, a contar a alguém. Somente então poderemos ter a certeza de que esse tipo de mal jamais voltará a se repetir.”
(p.236)

Eu não poderia ter escolhido um livro mais triste para iniciar minhas leituras em 2012. “A vida em tons de cinza” me emocionou de tal me maneira que me deixou devastada. Nas primeiras trinta páginas, lágrimas já escorriam. Como o ser humano pode chegar a tal nível de crueldade?
O lado bom desta leitura é que me lembrou de ser grata, todos os dias, pelas coisas que me parecem mais corriqueiras, como: ter sempre algo pra comer na mesa, toda vez que sinto fome; ter uma cama confortável e quentinha nos dias de frio; ter acesso a um chuveiro para tomar banho todos os dias.  Isto me lembrou que não importa o tamanho dos meus problemas, ainda assim, sou a pessoa mais abençoada deste mundo!
Agora, imagine você, tendo toda esta vida confortável, onde nada lhe falta; rodeado por amigos e familiares, e de repente tomarem-lhe tudo. Imagine ser retirada de sua casa às pressas por soldados cruéis que lhe tratam como um animal, fazendo com que passe fome, frio, lhe tirando o direito de tomar banho. Você passa a ver pessoas morrendo todos os dias, seja por doenças, por desespero, ou por conta da pura maldade de outro ser humano. Você! Você que é uma pessoa boa e decente... Ser considerado ladrão ou prostituta. Por que você, ou qualquer outro ser humano, mereceria ser tratado assim? 

Pois é esta a história de Lina Vilkas. Uma lituana de apenas 15 anos, filha do reitor de uma universidade. Em 14 de junho de 1941, a adolescente é arrancada de sua casa pelos oficiais da NKVD ainda de camisola, junto com sua mãe e irmão mais novo – Elena e Jonas -, a um destino até então desconhecido. Arrancados de uma vida de sonhos e conforto para um sofrimento indescritível.

“Ele jogou o cigarro aceso no piso limpo de nossa sala e o esmagou com a ponta da bota. Estávamos prestes a ter o mesmo destino que aquele cigarro.”
(p.13)

Na época, a Rússia, liderada por Joseph Stalin, expandia seu território anexando os países bálticos – Lituânia, Estônia e Letônia – sob seus domínios.  Milhares de famílias são deportadas para campos de trabalhados forçados - denominados Gulags – pela Sibéria e pelo Círculo Polar Ártico. Este é o destino da família Vilkas.

Através da narração de Lina, acompanhamos os horrores, os maus-tratos, sofridos por estas pessoas. A adolescente dotada de talento artístico estava prestes a realizar seu sonho de estudar na Capital, quando aquela noite fatídica chega para lhe tomar os sonhos, a liberdade, mas jamais a dignidade.
Jogados em um vagão de um trem lotado e sem a menor ideia para onde estão sendo levados, eles passam meses nesta viagem sem direito a banho e mal alimentados. 
A vida na Sibéria e, posteriormente, no Círculo Polar Ártico, também não é nada fácil. Eles enfrentam fome e frio implacáveis. São violentados e constantemente humilhados. A morte está sempre ao redor: alguns morrem por doenças, outros por desespero. Separada do pai, a garota tenta utilizar de seu dom artístico para mandar mensagens subliminares a ele, com a esperança de um dia reencontrá-lo. A mãe da Lina tem papel importante na história por ser uma pessoa forte todo o tempo, mas principalmente por sua generosidade, infinita compaixão e capacidade de liderar para o bem de todos, além de ser a única capaz de falar russo entre os prisioneiros. A esperança e o apoio mútuo são tudo o que lhes restam.

A autora não nos poupa em momento algum, mas em meio a todo o triste cenário, ela consegue ainda criar uma história de amor...
Andrius, um adolescente da faixa etária de Lina, foi parar no mesmo vagão graças ao suborno feito por sua mãe para convencer o soldado da NKVD de que o garoto precisaria estar com ela por ser retardado - o que não é verdade. Não há como não se apaixonar pelo rapaz que tanto ajuda Lina e sua família.
Aliás, a autora não se esquece de que o mundo não é só feito de maldades e introduz personagens que nos surpreende na história!

Com uma narrativa fluída e tocante, este livro é uma lição de vida e amor. Mesmo convivendo com tanto sofrimento a vontade de viver e a esperança de Lina é impressionante e é um verdadeiro tapa na cara para quem tem o costume de reclamar da vida. É uma obra que todos deveriam ler! Pois como nossa protagonista diz - no primeiro quote acima -, o mundo não pode esquecer para que o mal não se repita!

Minha classificação para esse livro é de  6/7- "Excelente".



Por Daniela Tiemi


Quem comentar nesta resenha - deixando o e-mail ou twitter para contato - até dia 14/01/2012, às 23h59, concorrerá ao kit de marcadores abaixo:



Tem que ter endereço de entrega no Brasil, ok?!
O resultado será divulgado domingo, dia 15/01, junto com o resultado da Promoção "As crônicas da Terra do Lago". Não se esqueça de conferir!
Boa sorte! ;-)

27 comentários:

Natty disse...

Oiii ..... Livro me parece especialíssimo, e fiquei na curiosidade para lê-lo.... deve ser emocionante, e esse é o tipo de livro que mais me interessa, aquele que me faz pensar sobre a vida, sobre o amor....

Beijoss


nmedeiroslima@yahoo.com.br

Gostaria também de concorrer ao kit de marcadores ...

Beijoss

Sora Seishin disse...

Oi Dani!
Gostei da sua resenha, mas não tenho vontade de ler o livro. Acho que eu também sofreria e choraria demais com a leitura. Não gosto de ler histórias tristes =/
Beijos,
Sora - Meu Jardim de Livros
@jardimdelivros

Paola Cariello disse...

Meu Deus, já vi que vou chorar litros quando ler.
Adorei a resenha.

@PaolaCariello

Beijoos :D

Hérida Ruyz disse...

Oi Daniele,
Eu não gosto de livros tristes...fujo deles. Eu prefiro ler histórias que tragam a sensação de felicidade. rsrs
Por enquanto, esse é um livro que não me atrai.
Bjs

nandaassisbh disse...

Ei Dani,

Eu gosto de livros tristes, sei lá porque rs, e este já está na minha lista de desejados desde que li a resenha da Nanie.
Amei sua resenha, preciso comprar urgente!

bjos

Nattacha disse...

Aiii que livro triste esse, deve ser aquele livro para se chorar baldes e mais baldes.... Mas o enredo dele é muito bacana mesmo, um livro para se parar e pensar, refletir sobre a vida, e se temos que reclamar tanto das coisas. Com certeza vou querer lê-lo um dia desses, adooorei a resenha. Beijos :*

Leiturasedevaneios disse...

Que linda citação inicial e resenha.


É sempre bom lermos livros que nos trazem ao chão novamente, não é?
"Isto me lembrou que não importa o tamanho dos meus problemas, ainda assim, sou a pessoa mais abençoada deste mundo!"

Beijocas,
Lariane - Leituras & Devaneios

Carolinices disse...

Oi Dani
ADOREI!

Eu sou uma pessoa muito feliz, mas adoro livros e filmes tristes... rs
Não conhecia esse livro e fiquei com muita vontade de ler!

Bjos

@Carolinices

Nickinha23 disse...

Oi, eu adorei o tema! E penso em ler o livro algum dia.

Aliás, a resenha está ótima.

Beijos!

Max disse...

Olá Daniela,

Excelente resenha, como sempre. Eis um livro que me parece bastante impactante. Tais histórias nos fazem ser gratos por aquilo que temos, mesmo que muitas vezes, como você disse, não nos lembramos do que temos.

Abraços.

Rodrigo disse...

Era só o que faltava, mais um livro pra minha lista de compras, assim não em dinheiro que baste, kkkk, bela resenha.

http://viciadoemlivrosefilmes.blogspot.com/

Fellipe ramos disse...

Esse livro deve ser mesmo muito bom, esse tipo de livros sem nos faz pensar que nossa vida é muito boa e a gente ainda reclama as veze, gosto bastante desse tema, mas eu nao tinha vontade de ler esse livro, agora fiquei curioso!

Niii disse...

ai gente, quero muito ler.
Eu sou apaixonada por essa temática e esse contexto.
Não tenho dúvidas que vc ficou devastada =x

bjss

Niii
@NicholeLiny

Paula disse...

Quando lemos esse tipo de livro é que realmente agente vê o quao sortudos somos,achei linda essa sinopse!

Beeijos!
@r_reapeer

Juh Oliveto disse...

Eu ADOREI sua resenha! MESMO! Sempre tive vontade de ler o livro, mas nunca tinha visto ninguém comentando a respeito, mas suas considerações me deixaram MUITO empolgada pra ler. *_*

E quero concorrer aos marcadores porque o marcador do livro também é lindo! \o/

Beijocas!
Juh Oliveto
Livros & Bolinhos ~ juholiveto@livrosebolinhos.com

Luciara disse...

oi Dani,
sua resenha está muito tocante.
Parece ser uma história bem profunda, mas é um livro que não faz meu estilo, não curto histórias tristes assim. =/

beijos.

Leninha disse...

Esse livro é tocante, pungente e dilacerante, mas sem perder seu lado romântico.
Linda resenha Dani, deu para sentir os sentimentos transbordando.

@Blog_SRomantica

beijinhos!

Carla Fernanda disse...

Oi, Dani.

Adoro livros desse gênero, mas não tive a oportunidade de ler este. O tema me lembrou demais de "Apátrida" e de "O Arquiteto do Esquecimento", porque foram dois livros que me tocaram de forma pungente e me levou às lágrimas em diversos momentos.

Gostei da forma como você deixou transparecer cada emoção sentida em cada momento vívido durante a leitura. Foi tocante de lê-la!

@sonhodereflexao

Isabela Carvalho disse...

Eu não gosto muito de livros desse gênero, mas esse parece ser uma exceção!
Adorei ler a resenha Daniela ;)
xo

Malucky disse...

Já tinha lido alguma resenha desse livro e tbm contava como essa historia é triste. Pra falar a verdade fiquei em conflito sobre o que achar dela, pois não gosto muito do tipo de leitura com tanto sofrimento e tanta dor; mas por outro lado é sempre bom ter uma vivencia do que estariamos perdendo caso fosse conosco. Lições de vida e esperança as vezes é sempre bom para poder dar uma levantada na nossa propria vida, por isso acho que seria uma boa leitura apesar de tudo.

Márcia disse...

Nossa, se lendo a resenha já sinto um aperto no coração, imagina como vai ser lendo o livro??? Sou uma baita manteiga derretida e esse tipo de livro me comove muito, ao ponto de ficar remoendo a história por um tempo, sabe? Porém, acho importante ler histórias assim, pois, como vc mesmo disse, às vezes, precisamos de um 'tapa na cara' desse tipo para vermos o quão afortunados nós somos.

@Only_Mah

Monica Reis Pires disse...

Acabei de ler este livro hoje. Concordo plenamente com o comentario acima. É muito comovente e nos faz pensar e agradecer pela vida, liberdade e tudo mais que temos.

Folhas de Sonhos disse...

Nossa, parece ser excelente mesmo, e muito intenso... Sobe mais o meu conceito uma vez que a autora usa de momentos da História para demarcar os fatos e o contexto da narrativa. Espero um dia ler!

abraços,
Luciana
http://www.folhasdesonhos.blogspot.com

Marianna Santos disse...

A resenha ficou perfeita, pois a história pela descrição é tocante. Ansiosa para ler este livro( tentarei não chorar).

Fabi Almeida disse...

Adorei o enredo deste livro, após esta resenha(maravilhosa) não há dúvida que lerei este livro.

Gabriela disse...

ual, parece ser muito intenso, eu realmente quero ler esse livro.

kikaluiza disse...

As pessoas que já leram por favor alguém tem atividades desse livro?!?!?!?!?!

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela