"O céu está em todo lugar" de Jandy Nelson

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012


Daniela

 “Esta é a nossa história, (…). Pode-se pensar que, pelo fato de ler tanto, eu já teria imaginado isso antes, mas não me ocorreu. Nunca fantasiei essa interpretação a respeito de minha vida. Sempre me senti parte de uma narrativa, mas não como autora dela, ou como se tivesse algo a contar sobre ela, qualquer que fosse.
Você pode contar a sua história da maldita maneira que quiser.”
(p. 287)

Esta leitura foi uma agradável surpresa. Apesar dos muitos elogios que percorre a blogosfera, mesmo com a quase certeza de que também iria apreciar a leitura tanto quanto meus colegas blogueiros, eu mal podia imaginar o quanto iria me apaixonar por cada personagem e por toda esta linda história criada por Jandy Nelson.

Em “O céu está em todo lugar” (Novo Conceito; 424 páginas), Jandy Nelson conta a história de Lennie Walker, uma adolescente tímida e apaixonada por livros – já leu “O morro dos ventos uivantes” vinte e três vezes –, uma clarinetista  que faz de tudo para esconder seu talento, e que perdeu a irmã mais velha recentemente. Há apenas um mês, durante um ensaio para a peça de “Romeu e Julieta”, Bailey sofreu uma arritmia fatal.

O luto pelo falecimento de uma irmã já seria difícil o suficiente, mas para uma garota que nunca conheceu a mãe e que vivia à sombra de Bailey - acostumada a estar sempre em segundo plano e que agora se encontra no centro das atenções -, tudo se torna ainda mais complicado.

Após a morte da irmã, a sexualidade de Lennie está à flor da pele, os garotos têm prestado mais atenção nela que, por isso, se sente culpada. “Eu deveria estar de luto, e não me apaixonando...”, ela diz.

Para surpresa de Lennie, ao voltar à escola, ela não é principal assunto pelos corredores, e sim, um aluno novo: Joe Fontaine, um americano que morava em Paris e acaba de chegar à cidade. Um violinista descaradamente sorridente com seus cabelos encaracolados, todo bagunçado, de olhos verdes que a cada vez que piscam parecem que estão totalmente focados em Lennie. Pisca, pisca, pisca. *_*

Em sua casa a situação também não está nada fácil, sua avó e seu tio Big – um floricultor meio maluco que já se divorciou diversas vezes -, acreditam que Lennie não está nada bem, isto porque eles acreditam que uma planta específica na casa reflete o estado emocional da garota e esta planta demonstra sinais de enfermidade!

A única pessoa que parece compreender os sentimentos dolorosos por qual Lennie passa é o ex-namorado da irmã, Toby. Compartilhando seus sofrimentos, eles se aproximam cada vez mais um do outro e uma atração começa a surgir. Apesar de todos os seus esforços contra esta atração, Lennie não consegue evitar. E não consegue impedir de se sentir ainda mais culpada. É inevitável que se aproxime de Toby assim como não consegue evitar de se apaixonar por Joe.

“(...), uma coisa fica clara: a vida é uma confusão assustadora. Na verdade, vou dizer a Sarah que precisamos começar um novo movimento filosófico: confusionalismo em vez de existencialismo, para os que se alegram com a confusão que é a vida. Porque a vovó está certa, nunca há apenas uma verdade, só um punhado de histórias, todas acontecendo de uma vez, em nossa cabeça, em nosso coração, uma passando por cima da outra. É tudo uma bela confusão desastrosa.”
(p. 372/373).

Como lidar com todos estes sentimentos? Com toda esta dor e confusão? Lidar com o fato de que a Lennie de antes da morte da irmã não existe mais, é um processo emocional complicado de compreender e aceitar. E é assim que perdoamos a protagonista por todas as confusões que se mete, por toda sua indecisão e, não só a compreendemos, como também torcemos para que ela consiga arrumar a bagunça, superar a dor, seguir em frente e ser feliz.

A excêntrica família de Lennie me cativou totalmente. E, não posso deixar de comentar que me sentia eufórica a cada “pisca, pisca, pisca” de Joe. Fiquei totalmente “Joelirante” – termo designado para retratar os sentimentos de Lennie com relação ao rapaz. Não tem como não se apaixonar por cada um deles.

“O céu está em todo lugar” é um livro juvenil com um enredo de maior profundidade do que costumamos encontrar hoje em dia, com temas pertinentes a dúvidas adolescentes, mas que é capaz de encantar também a qualquer adulto.
Além de tudo isto, a edição publicada pela Editora Novo Conceito está belíssima, e vale muito a pena ter na estante!

“Ele não precisa dizer, sinto-me da mesma forma; não é sutil, como se todos os sinos a quilômetros de distância tocassem ao mesmo tempo, em um tom alto, retumbante, faminto, pequeno, feliz e harmônico, todos os sinos ecoando ao mesmo tempo. Envolvo seu pescoço com as mãos, trago-o para perto de mim, e ele me beija de forma tão intensa e profunda que voo, navego, flutuo...”
(p. 251)

Minha classificação para esse livro é de ♥ 6/7- "Excelente".

Dominique

Faz muito tempo que eu não encontrava um romance que conseguisse mexer tanto comigo. É simplesmente impossível não apreciar a história de Lennie, uma jovem que ao perder a irmã, perdeu também sua melhor amiga, uma parte de si mesma. Reaprender a viver sem a irmã, companheira e confidente é uma tarefa dolorosa, que suga toda a energia de seu corpo. Como viver com tamanha dor, como suportar tanto sentimento dentro de si?

É através da poesia e da música que Lennie expressa seus sentimentos. Troncos de árvores, guardanapos, copos, folhas de caderno, tampa de mesa, papel de bala... Objetos tão comuns, mas importantes, pois Lennie utiliza qualquer coisa que tenha a mão quando deseja expressar suas emoções. 

Mas, Lennie encontra uma válvula de escape mesmo no namorado de sua irmã, que igualmente desolado, não sabe o que fazer com o tempo livre que possui, sua vida está arruinada. Unidos pela dor, eles passam a sentir um pelo outro uma atração que os impede de se separarem, mesmo culpada, consciente de estar cometendo um erro, para aplacar tamanho vazio, eles iniciam um romance.

O que Lennie não esperava era se apaixonar por Joe, um rapaz novo na cidade, também músico. Quando ela o via, ficava Joelirante! de amor, de alegria, satisfação, mas sentir-se apaixonada quando se está de luto é normal? E se Joe descobrir o romance platônico entre ela e o cunhado?

~ ~ ~ ~
"O céu está em todo lugar" é um livro maravilhoso, intenso, simplesmente perfeito! Terminei a leitura com vontade de retornar a primeira página e começar tudo de novo.


Os sentimentos de Lennie são tão fervilhantes e inebriantes que é impossível saber onde começava os dela e terminava os meus. Ela é poetisa! E imersa na dor pela perda da irmã e por estar ao mesmo tempo se apaixonando, sai espalhando por todo e qualquer lugar fragmentos de pensamentos e poesia. Ela me fez recordar a jovem que fui um dia, apaixonada, intensa, que adorava escrever e dar poesias para o amado. Eu tenho um pouquinho da Lennie, assim como, há muito anos atrás, percebi que também tinha muito de Marianne, de "Razão e Sensibilidade".

Durante todo o conflito romântico com Toby, seu cunhado, foi difícil não sentir-se afundar com eles para um abismo sem retorno, pois os sentimentos, emoções que emanavam deles eram tão intensos, que chegavam a me inflamar.

Já o romance com Joe foi como um bálsamo para Lennie, tão romântico, doce, suave, o oposto de tudo o que sentia quando estava com Toby. Impossível não torcer para o romance de Lennie e Joe dar certo e para que ela não o magoe de forma nenhuma e nem perca sem carinho. 

A casa de Lennie, onde mora também o tio e a avó é um sonho. Tão mágica, acolhedora, inebriante. As descrições do autor quanto ao jardim, a estrada, o rio, o quarto de Lennie e da irmã são tão reais, tão vibrantes, que chegava a ser palpável. Jandy Nelson me conquistou com sua escrita refinada, com sua forma delicada de escrever. Ele soube ser descritivo sem ser cansativo e romântico, sem cair na pieguisse. 


"Sinto a doçura da atmosfera do verão em minha língua e tudo o que eu quero é engolir, engolir, engolir e engolir para dentro do meu corpo - este corpo meu que vive, respira e tem um coração que bate."

O final? Ah, lindo, lindo, lindo. Sabem aquelas histórias que te fazem sorrir à toa e que em alguns momentos dá vontade de jogar o livro longe devido alguma burrada do personagem? Com o "O céu está em todo lugar" não é diferente. Mil e uma emoções aguardam o leitor ávido por uma história mais que emocionante, ela é encantadoramente perfeita! Recomendooooooo!

Ps.: Parabéns a Novo Conceito pela linda edição. Eu ganhei a caixinha do livro de parceria e amadorei! 
Ps.: Por Zéus! Eu amei esse livroooooooooo! Ele merece ir para as telonas.

Minha classificação para esse livro é de ♥ 6/7- "Excelente".

12 comentários:

Janine Stecanella disse...

Olá meninas, tudo bem?
"O Céu está em Todo Lugar" é minha leitura atual e fiquei muito feliz em me deparar com uma resenha dele. Diferente de vocês, as últimas críticas que li eram negativas, falando da faltam de envolvimento do leitor com o livro. Começei a ler sem muita expectativa mas preciso confessar que ele me encantou sim. Nada que tenha mudado minha vida, mas sem dúvida, uma ótima leitura.


Beijo!
http://janinestecanella.blogspot.com/

Lili disse...

Adorei a resenha de vcs meninas! E como é engraçado essa coisa de lidar com a dor e se aproximar das pessoas que tem os mesmos elos que vc e tal... O livro me chama muito a atenção, apesar de estar um pouco cansada desses romances YA, mas vou procurar ler o livro sim!
Beijos

nandaassisbh disse...

Ei meninas,

Legal isto de resenha em conjunto =]
Eu amei este livro demais, desde a capa e a edição perfeita até o enredo lindo e emocionante.
Chorei, sorri e amei os personagens.

bjos

Lipe Ralf disse...

Meninas, sou o único que não gostou deste livro, só pode.
Eu achei os sentimentos dela tão falsos, pra mim faltou emoção.
E o livro vai ter filme sim, e quem vai fazer a Lennie é a Selena Gomez, por enquanto é ela, rs
Gostei da resenha, mas como disse acima não gostei do livro.

Lipe Ralf
meus-erros.blogspot.com

Luciana Mara disse...

Ei meninas!

Acho que só eu e o Lipe Ralf não curtimos tantooo este livro.

Sei lá, acho que esperava me apaixonar mais pela história.
O que não se pode negar é que o livro (capa e folhas diferentes no interior) é um espetáculo!

BJins

Niii disse...

resenha dupla! Adoro
vou te falar que gostei do livro, mas com algumas ressalvas =x
haha
mas deu pra ver que vocês duas amaramm! =)
bjos

FlaviaMolina disse...

Que legal resenha dupla !! Realmente o livro me pareceu um infato-juvenil diferente , mais profundo , não é muito o livro que eu goste de ler , mas parabéns pelas resenhas
Bjinhussss !!!

Nattacha disse...

Tenho que começar citando o trabalho grafico maravilho que a editora fez nesse livro né *-* eu nunca tinha visto uma capa com um material tão diferente assim, e os bilhetes dentro do livro, toda a edição grafica, ficou magnifico!
Quanto a história... só tenho elogios e suspiros por ele *-* os sentimentos expressados em cada personagem são tão intensos que mexeu bastante com os meus proprios sentimentos, há alguns questionamentos/comentarios da Lennie que me fizeram refletir, como quando ela diz que cada um pode contar sua história como melhor ficar para a pessoa, ou quando ela esta guardando os livros e cadernos da irmã e cita algo como: toda vez que alguém morre, um biblioteca se incendeia, ou seja o conhecimento se vai, todo o drama com a mãe que não conheceu, enfim, e outras passagens do livro. E bem sobre o Joe: ahhhh o Joe, que garoto adoravel hein, apesar de que as vezes sinti raiva de eles não se entenderem logo xD
Um livro que deve ser lido, recomendo sem duvida nenhuma!
Beijos :*
PS: adorei ver a opinião das duas sobre o mesmo livro!

Naniedias disse...

Meninas, adorei poder ler a resenha das duas *-*
Eu amei esse livro - mexeu demais comigo e me ganhou!

Beijos, Nanie - Nanie's World

Cris Aragão disse...

Eu já tinha gostado do livro por causa da capa, e depois de ler as resenhas de vocês fiquei mais entusiasmada em ler, parece se tratar de uma história envolvente e bem escrita, mal posso esperar.

FabricaDosConvites disse...

Um dos livros que tem a edição mais linda que já tive oportunidade de ler, além de ser uma história linda.
Bjs, Rose.

Baliza Fofi disse...

nossa muita vontade de ler agora...quero,quero...histórias assim vale a pena viver tudo simplesmente lendo..a magia da leitura é fantástica....

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela