"Um mundo brilhante" de T. Greenwood

sexta-feira, 20 de julho de 2012



"Não havia como compartilhar aquela dor com alguém que nunca conhecera a tristeza. Seria como tentar explicar o que é a cor vermelha a um homem cego. Tentar descrever a neve a alguém que nunca sentira frio"
(p. 31)


Quando o professor universitário Ben Bailey acorda em uma manhã fria, após a primeira nevasca do ano em Flagstaff, e sai para buscar o jornal na porta de sua casa, encontra um jovem caído e ensanguentado em meio a neve. O jovem é Ricky Begay, um indígena que frequentava o bar chamado Jack’s - onde Ben também trabalha para reforçar o salário. O garoto é levado a UTI e preocupado, Ben resolve ir ao hospital para ter notícias do rapaz e lá conhece sua irmã, Shadi.

Ricky não sobrevive. A causa da morte é atribuída à bebida e ao frio, mas Ben jamais viu o garoto beber quando frequentava o bar. Certo de que alguém é culpado pelo falecimento do jovem, Ben aos poucos se encontra envolvido na investigação da morte de Ricky, e inevitavelmente envolvido emocionalmente com Shadi. O problema é que Ben está noivo e mora com Sara há dois anos, mas ele parece carregar dúvidas sobre seus sentimentos por há algum tempo, e tem evitado o casamento com diversas desculpas. Mentiras, por mais bobas e inocentes que sejam, fazem parte do cotidiano do relacionamento. Ben mente mais que por necessidade, mas pelo desejo de esconder pequenas coisas de Sara. Contudo, agora as mentiras se tornam mais necessárias sempre que precisa encontrar Shadi, e o interesse dele em descobrir a verdade sobre morte do irmão da garota está totalmente relacionado aos sentimentos que carrega por ela e o desejo de vê-la.

Contudo, Sara descobre que está grávida, e agora parece inevitável que eles se casem. Ele precisa tomar uma decisão sobre seu relacionamento com Sara, mas não consegue deixar a história do irmão de Shadi e não consegue deixar de pensar na garota.

"Segredos. Como pequenos sapos escondidos em seu bolso. Não se pode esquecer deles porque estão sempre se mexendo ali dentro, contorcendo-se, tentando escapar. Você sabe que, a qualquer momento, um deles pode conseguir subir e pular para fora do seu bolso, revelando-se para o mundo com um coaxado estridente."
(p. 285) 

Com uma edição belíssima, a Novo Conceito lançou "Um mundo brilhante"(336 páginas), uma história bem traduzida e  bem narrada por T. Greenwood, que nos introduz a um drama da vida real. Não se enganem, pois este não é um romance policial, mas uma história sobre relacionamentos, decisões e consequências. A morte do indígena Ricky é só um plano de fundo, o foco é o drama da vida de Ben, Sara e Shadi.

Como eu disse, a história é bem narrada; Greenwood é uma boa escritora. A trama é envolvente - não sei leria até o fim se não fosse, pois não pude evitar a minha pouca simpatia com os personagens principais, Ben e Sara. Ela, pela forma como manipula Ben para conseguir o que quer, e ele, por não tomar um decisão definitiva, deixando para trás o que fosse necessário com a decisão tomada. Acredito que a intenção da autora era criar personagens verossímeis, e não necessariamente carismáticos. Ben me incomodou durante toda a leitura, por suas atitudes e pela falta delas em muitos momentos.
Então, apesar de achar a história interessante, não consegui me envolver totalmente por esta falta de conexão com os personagens; pela constante irritação que eles me fizeram sentir durante toda a leitura.

Apesar de o livro não ter me agradado totalmente, há nele seus aspectos positivos e o enredo nos leva a várias reflexões. De nenhuma maneira, eu não recomendaria a leitura, até por que depende de cada leitor o apreciamento de cada livro, e estou certa que muitos irão gostar de "Um mundo brilhante".


Minha classificação para esse livro é de ♥ 3/7- "Razoável".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.



Por Daniela Tiemi

18 comentários:

Dominique disse...

Dani, creio que se indignar com a atitude de alguns personagens é uma reação humana, despertada, talvez até por uma boa escrita. Como você disse, talvez a intenção da autora fosse criar personagens verossímeis.

Bjjs!

Mey disse...

É mesmo dificil de ler um livro, quando a gente não se identifica com os personagens. Tenho esse livro mas ainda não li. Achei a capa linda e a historia parece ser mesmo boa. Espero que eu seja uma das que apreciarão esse livro.Ultimamente tenho me decepcionado com alguns livros. Bjkss

maiane rossi disse...

Pensei a mesma coisa do Ben. Como dizem, ele é o tipo de pessoa que nem foge nem sai de cima do muro. Esse livro me lembrou "Comer, rezar, amar" que, como você em "Um mundo brilhante", também não consegui me envolver 100%

Cláudia Charão disse...

Oi Daniela

Ah eu não estou muito animada a ler esse, vou sempre deixando para depois, gosto de histórias sobre relacionamentos, mas essa não anima o suficiente para começar a leitura.

:)

Max disse...

Olá Daniela,

Gostei da sua sinceridade. Às vezes lemos um livro e não nos indentificamos muito com os personagens ou com a trama mesmo, faz parte, rsrsrsrs.

De fato, é sempre difícil recomendar um livro para alguém, vai de acordo com o gosto de cada um.

Bjs.

Sthéfanie PC Rezena disse...

Não gostei muito do livro, terminei de ler de teimosa!
;/

beijos

Selene Blanchard
Moda e eu
Modaeeu.bloigspot.com

Morgan_nascimento disse...

Olá, parabéns pelo seu blog!
Se você puder visite esse blog:
http://morgannascimento.blogspot.com.br/
Obrigado pela atenção

Aryane Campideli disse...

quero muito ler este livro apesar da capa nao me chamar atençao, apesar dele ser razoavel me deixou um pouco curiosa

Nattacha disse...

Desde o lançamento desse livro ele não me chamou tanta a atenção assim, e depois de variar resenha, vejo que o livro não é tudo aquilo mesmo, não sei se pelo fato dos personagens não serem envolventes, ou pela proposta da autora, mas ainda assim se um dia tivesse a chance de ler o livro, leria para tirar minhas proprias conclusões!
Beijos :*

Natália Rivero disse...

Detesto livros envolvendo traição e pelo visto será isso que irá acontecer em relação ao Ben e Shadi se envolverem,enquanto ele está com a Sarah.
Não sei se quero ler esse livro,já quis mto no passado,mas agora tenho minhas dúvidas

bjs Nati

Suzy ♥ disse...

A capa dele é linda, cheia de glitter!

Luciane Eleoteria disse...

Personagens carismáticos sempre tornam a leitura mais agradável. As vezes leio livros com enredo que teriam tudo para ser bom, mas o autor não consegue desenvolver a historia de uma forma que eu fique envolvida com a leitura. A Novo Conceito fez um trabalho belíssimo na capa, tenho o livro mas ainda não li.

Genilda Silva disse...

A capa do livro me dava uma impressão bem diferente do que se trataria a história da descrição da sua resenha.

Marília Maciel disse...

É uma pena vc ter se decepcionado com os personagens do livro, a história parece ser tão boa!
Tenho o livro, mas ainda não tive oportunidade de ler e, sinceramente, não estou muito empolgada...mas espero que ele supere minhas expectativas.

Khrys Anjos disse...

Gostei da su postura ao afirmar que não gostou muito do livro. Achei que essa leitura fosse interessante mas depois de ler a sua resenha fiquei na dúvida. Vou colocá-lo no fim da minha lista.


Um leve bater de asas para todos!!!!!!!!

Helana disse...

Bem como sempre digo!
Um Mundo Brilhante causou uma relação de amor&ódio entre os que leram, particularmente amei o livro. Autora soube mostrar muito bem os problema de Ben e aquela velha história tudo que a gente faz tem consequências boas e ruins, as de Ben não foram boas e isso se mostrou no final do livro. Acho que foi esse o ponto que muitos não gostaram, sei lá.

Luciana Cardoso disse...

Achei interessante a história, porém ao ver as 3 estrelinhas que vc deu para o livro eu dei uma desanimadinha para lê-lo. Espero ter a oportunidade de mudar de idéia em relação ao livro.
Parabéns pela resenha, ficou muito boa.

Ronaldo Victor disse...

Porra, Eu li esse livro em uma semana, pois a cada capítulo ficava ansioso para continuar lendo. É bom pacas...Dá um bom filme!

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela