"A idade dos milagres" de Karen Thompson Walker

terça-feira, 2 de abril de 2013


Mais tarde, eu pensaria naqueles primeiros dias como o momento em que, como espécie, nos demos conta de que temíamos as coisas erradas: o buraco na camada de ozônio, o derretimento das calotas polares, o vírus do oeste do Nilo, a gripe suína e as abelhas assassinas. Mas acho que aquilo que preocupa mais nunca é o que acontece, no final das contas. As catástrofes reais são sempre diferentes - inimagináveis, desconhecidas, impossíveis de prever.

Parecia uma manhã normal como todas as outras. Hanna, a melhor amiga de Julia, havia dormido em sua casa. As duas dormiam na sala, cada uma em seu saco de dormir, mal sabendo que esta seria a última manhã que passariam juntas.
Sua mãe saíra para comprar o café da manhã e voltou nervosa e agitada, ligando a TV e insistindo que o marido largassem o seu jornal matinal e conferisse a noticiário. "Algo horrível esta acontecendo" ela dizia, "É uma barbaridade". Mas sua mãe sempre fora exagerada demais para que lhe dessem a devida atenção. Porém, dessa vez, não seria realmente um exagero.

Aparentemente nada realmente teria mudado. Nenhuma calamidade iminente; nada de pontes e grandes construções desabando; nada de pessoas mortas ou feridas, nenhum fim do mundo como nos filmes de Hollywood. O fim chegaria lentamente.

O planeta estava em processo de desaceleração, o que significa que a rotação da Terra estava aos poucos diminuindo, o que tornariam seus dias e noites mais longos; o que traria sérias consequências. A princípio muitas pessoas entraram em pânico: juntaram suas famílias, fizeram as malas e partiram. Para onde? Não se sabe. Não havia para onde fugir.
O governo insistia que as pessoas levassem suas vidas de maneira normal. Crianças ainda iam à escola, pais de família para o trabalho. Nada devia parar, então eles continuaram. Continuaram o tempo do relógio, como se os dias ainda tivessem 24 horas. Nos primeiros dias, não fazia muita diferença, eram apenas alguns minutos a mais, mas a situação pioraria. Em questão de meses, chegariam a ter dias com 48 horas; chegariam até a ter semanas inteiras na escuridão, e outras de luz.

Com a desaceleração, outras consequências surgem como a alteração da gravidade e do campo magnético da Terra. Obviamente, todo o ecossistema começou a ser modificado também. Muitos animais não suportam a mudança e começam a se extinguir, muitas plantas desaparecem. Logo, faltaria comida, e as pessoas estão desesperadas para ter cheio seu próprio estoque.

Tudo isso acontece de forma gradativa. E Julia vai vivendo sua vida, aos seus doze anos, da forma que uma garota dessa idade viveria. O livro é narrado através dos olhos desta pré-adolescente tímida e sensível que está descobrindo o amor, enfrentando problemas familiares, aprendendo a lidar com as amizades e com as perdas. Tendo que sobreviver as mudanças em seu corpo pré-adolescente e sobreviver as mudanças de um mundo que está prestes a acabar em qualquer instante. Contudo, dá para notar na narrativa, que a Julia que narra a história não é mais a garotinha de 12 anos; o que nos deixa a sensação de que de alguma forma, ela sobreviveu ao caos.

Este livro foi uma agradável surpresa para mim, pois contém uma historia cheia de sensibilidade. A autora narra o fim do mundo de forma verosímil, e você percebe o quanto o ser humano é previsível, mas as catástrofes não, e jamais estaremos preparados para enfrentá-las.  E, afinal, o que poderíamos fazer se o mesmo acontecesse? Viveríamos normalmente, tentando lidar com as mudanças e adaptá-las na nossa vida?

Acompanhar a vida simples desta garota em meio ao fim do mundo, aceitando algumas vezes de forma tranquila, convivendo com as inevitáveis mudanças em seu dia-a-dia, deixou em mim uma grande proximidade com a personagem. Desde o início, senti que tenho muito de Julia em minha própria personalidade, e fiquei surpresa quando descobri que a Julia faz aniversário no mesmo dia que eu faço! Já aconteceu esta coincidência com alguns de vocês? É a primeira vez que isso acontece comigo.

Dois outros personagens se destacam na história: Seth Moreno, o menino por qual Julia é secretamente apaixonada e o avô dela que é um tanto excêntrico, mas amoroso. Esses personagens ganham a nossa afeição facilmente.

O livro é emocionante e me arrancou lágrimas em suas últimas páginas. Traz boas reflexões, tanto ambientais quanto relativas ao comportamento humano. A narrativa é um tanto estática, sem grandes surpresas - com exceção ao final do livro -, mas não deixa de ser intensa a seu próprio modo: reflexivo e delicado. Vale a pena conferir.


Minha classificação para esse livro é de  4/6- "Muito Bom".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.


A idade dos milagres. Walker, Karen Thompson. Editora  Paralela, 2012, 216 p.



13 comentários:

Cláudia Charão disse...

Oi Dani

Nossa parece tão perturbadora essa ideia de acabar assim aos poucos, soa pior do que uma onda gigante ou um meteoro.
Nunca me aconteceu isso da data de nascimento, mas as vezes penso nisso se as pessoas que nascem no mesmo dia são parecidas.
O livro parece ótimo, mesmo com o lance de ser estático, eu não me importo com uma narrativa mais lenta se tiver um propósito para ela.

Bjus

Amanda Péres disse...

Tão bom quando um livro surpreende!
É bom saber que, apesar da narrativa ser feita por uma garota de 12 anos, o livro não é nada infantil. Já estamos acabando com o mundo aos poucos... então o livro não narra uma história assim tão distante da realidade.
Peguei este numa troca esse ano e sua resenha me empolgou para lê-lo logo! :D

Karen Senoo disse...

Já li várias Distopias que tratassem o depois do quase fim do mundo mas nunca li nada assim antes! Lembrei daqueles filmes apocalípticos... é de dar medo o.O Parece ser um livro muito bom e pretendo ler logo =)


Bjs
@Tibiux

Livia Braga disse...

Eu estou CHOCADA! Amei o livro {atraves da resenha}, amei , amei, amei!!
Sou uma apaixonada pela natureza, amo a biologia e química, me indentifiquei muito. Eu acho que eu vou chorar tbm rsrs Qnd eu Li a carta da água fiquei em prantos, imagina um livro como esse! Estou maravilhada!

Ana Paula Barreto disse...

Caramba, nunca aconteceu de me identificar tanto com um personagem e ainda fazer aniversário no mesmo dia que ele (aliás, não lembro de ter lido um livro que fala exatamente a data do aniversário do personagem).
Adorei a história pelo fato de ser bem "pé no chão", de tratar com sensibilidade um evento terrível, de mostrar sob o olhar de uma menina como é o mundo num estado de caos, e também como ela cresce com tudo isto.
Não conhecia a obra, mas já me encantei!
bjs

Folhas de Sonhos disse...

Uau, que livro interessante. Uma ótima dica de leitura! Eu leria com certeza, e esse tipo de história a la Saramago é o que eu gosto ^.^
Vou procurar pra ler! abraços


Luciana

Naty C disse...

Não conhecia nada sobre o livro, fui lendo sua resenha tentando adivinhar o que tinha acontecido, mas confesso que me decepcionei um pouco quando descobri. Realmente não me animei a lê-lo.

Rayme disse...

nunca ouvi falar neste livro, mas gostei muito da sua resenha
totalmente diferente do que eu já li, e isso foi o que mais me interessou na história toda...
parei para pensar agora o que faria se algo assim realmente acontecesse e me senti apavorada :x

alex disse...

Nunca ouvi falar do livro, mas as distopias estão em alta não é? Esse tem um tem mais peculiar que eu nunca tinha visto. E pelo que andei vendo agora no Skoob, muita gente gostou. O que me deixou intrigado na resenha, foi o fato que você disse que na leitura, percebe-se que ela conta essa história do "futuro" e no livro mostra como ela sobrevive a essa situação?


Ps: O link do livro no Skoob tá errado

JessicaLisboa disse...

Serio que derramou algumas lagrimas?! Me falaram que ele é muito chatinha e entediante perante a leitura, agora to na duvida..

Inês Gabriela A. disse...

Não é o tipo de leitura que eu goste, mas ainda sim a premissa chamou minha atenção. De qualquer forma acho que não vou ler, minha fila de desejados é grande demais, mas nunca se sabe né?!

Nattacha disse...

Que livro interessante, pois o tema dele é bem clichê né, essa coisa de
fim do mundo e tals já ta bem batida, mais nunca tinha visto um livro
com esse tema, sendo narrado por uma protagonista adolescente, que além
desse acontecimento natural (ou não) retrata os problemas de uma
adolescente normal! Achei bem incrível ver os dois temas misturados em
um único enredo!

Fiquei mega curiosa para ler o livro, e ver como foi que a sociedade reagiu a tudo isso. E conhecer também o Seth e o avô da Julia!
Adoorei a resenha!
Beijão :*

Andreza disse...

Nossa, fiquei sem fôlego só em ler a resenha! A impressão que tive é de que o livro aborda bastante as questões ambientais, que por sinal é algo tido como atual, mas que na verdade isso já se arrasta há bastante tempo! Gostaria muito de ler o livro!
GFC: Andreza Galvão

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela