"Todo Dia" de David Levithan

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013




Em Todo Dia conhecemos o enigmático "A", um personagem enigmático que desde nasceu acorda em um corpo diferente todos os dias, não importando o lugar, o gênero ou a personalidade. No início, tudo era confuso, desde se adaptar a um novo corpo a ter que se adequar ao novo contexto, por isso, rapidamente, "A" entendeu que não poderia nunca interferir, nem se envolver demais na vida daquelas pessoas, suas decisões não eram as delas, afinal. 

Foram dezesseis anos vivendo assim, até que um dia, ele acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. Todas as suas prioridades mudam, a partir do momento em que se apaixona por Rhiannon e contra todas as regras do universo, "A" decide lutar por esse amor e vivê-lo. Juntos, dia após dia, "A" e Rhiannon tentam se reencontrar e questionar tudo em nome do amor.

Todo Dia é uma leitura irresistível e impossível de largar. Cada capítulo, guarda uma nova emoção, uma nova história a ser contada, um novo corpo habitado por apenas um dia por "A". A vida de "A" é complexa e solitária, habitar um novo corpo todos os dias sem nunca poder se envolver com outras pessoas, ter uma rotina normal é no mínimo complicado. Triste. Repleta de altos e baixos, já que nosso enigmático protagonista não possui o poder de decidir quem será o próximo hospedeiro, nem sua condição de vida. "A" pode dormir como uma patricinha comum e acordar no corpo de uma adolescente depressiva. Pode dormir no corpo de um jogador de futebol americano e acordar no corpo de um adolescente obeso. E vice-versa, num redemoinho sem fim, tentando lutar muitas vezes contra as necessidades viciadas daquele corpo que está habitando como ocorreu quando ele habitou um rapaz viciado em drogas. 

É Rhiannon que lhe devolve o desejo de viver, de estar no mundo, de ser notado, de ter um objetivo. Mudar a rotina de seus hospedeiros para encontrar todos os dias Rhiannon tem consequências e até um grau elevado de perigo.

Eu me apaixonei por "A" desde o princípio e torci muito para que sua forma de viver fosse reversível, para que ele pudesse ter uma vida normal. Na história, ele não sabe explicar como tudo aconteceu, nem se existe outros seres como ele que precisa trocar de corpo todos os dias, simplesmente sabe que sempre trocou de corpos e que nem sempre foi fácil essa transição. A troca de corpos obedece um padrão: se "A" tem dezesseis anos, somente pode habitar corpos de adolescentes de dezesseis anos, não ir de um extremo a outro, obedece uma forma cronológica. 

A história de David Levithan vai muito além de um romance adolescente impossível. Ao descrever a rotina de "A", vivendo em diferentes corpos todos os dias, independente do gênero, cor ou raça, percebemos que a percepção da adolescência é diferente para cada um e ao mesmo tempo igual. Todos os corpos pelo qual ele habitou, vivia um dilema diferente, típicos da adolescência como: o primeiro amor, contato com as drogas e bebidas alcoólicas, depressão, homossexualismo, riqueza, conflitos familiares, obesidade, mortes de entes queridos, acidentes fatais causados pelos próprios adolescentes até trabalho escravo, entre outras abordagens mais complexas. Quem disse que ser adolescente não era complicado?

David Levithan me despertou o desejo de ler os seus outros livros, inclusive, Will & Will que até então, não havia me despertado o interesse. Seu modo de abordar o amor em suas diferentes formas é simples e ao mesmo tempo deslumbrante, seja o amor entre um homem e uma mulher ou em um relacionamento homoafetivo. 

É um livro para ler e sentir e se deixar apaixonar. Recomendado!


Minha classificação para esse livro é de  4/6 - "Muito Bom".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.

Todo Dia. Levithan, David. Galera Record, 2013, 280 p.


7 comentários:

Ingrid Sodré disse...

Sabe que essa resenha veio em ótima hora? Eu ganhei esse livro de Natal, há meses estou louca para lê-lo e finalmente terei a oportunidade. Só não comecei a ler, porque estou terminando outro, mas assim que o fizer, com certeza lerei imediatamente.
Bom, li várias resenhas e todas constavam criticas positivas. Embora ainda não tenha lido, como disse anteriormente, sei que trata-se de uma história diferente de qualquer uma que já conheci. O enredo parece ser bem estruturado e devo dizer que há alguns aspectos que me atraíram mais, um deles foi o fato da personagem principal não ter uma forma, nome e sexo definido. Enfim, estou criando muitas expectativas, espero não me decepcionar.

Julia disse...

Esse livro me deixa curiosa pra saber como ele vai fazer pra ficar com a menia que ele gosta e nunca tinha pensado nesse lado que você abordou que não é só um livro de amor mas sim um livro que mostra a rotina dos jovens e seus problemas

Amanda T. disse...

Oi flor!

O livro é realmente sensacional, fiquei com o mesmo desejo de ler todos os livros do autor quando terminei. Agora é torcer pra que a continuação saia logo, pra que possamos matar as saudades do A!

Beijos
http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

Pamela Liu disse...

Ahh como eu quero ler Todo Dia! Só vejo resenhas positivas sobre esse livro!
não consigo nem imaginar como seria acordar num corpo diferente todos os dias, sem saber se será homem ou mulher e etc.
O romance entre "A" e Rhiannon parece ser muito fofo!!

Oliveira disse...

Acredita que não sinto vontade nenhuma de ler nenhum livro desse autor? Esse todo dia não me chama a atenção, é até incrível isso. Só que por gostar de tantos livros que você gosta, fico a pensar agora, será que vou gostar desse se der uma chance?

Andréia Renata disse...

Oie
Estou mt ansiosa para ler esse livro *-* a premissa dele parece ser bem criativa. Ainda não li nenhum outro livro do autor e o fato de já ter lido várias resenhas elogiando sua escrita me deixa ainda mais ansiosa por Todo Dia. Pena que inda tenha uma pilha de livros para ler antes de poder comprar mais um :/ mas enfim, fico feliz que tenha gostado do livro, espero ter a mesma opinião ^^ e sabe que Will e Will também não chamou a minha atenção, vamos ver se depois de Todo Dia também mudo de ideia.

Inês Gabriela A. disse...

Eu li o livro, achei bacana, mas nada disso que a maioria das pessoas fala. Concordo contigo, o autor realmente soube transmitir os problemas dos adolescentes e o fato de A ter vivido em vários corpos deu a possibilidade do autor explorar diversos temas sem tornar a trama pesada e carregada. Achei a obra original e legal, mas nada demais.

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela