"O apanhador no campo de centeio" de J.D. Salinger

terça-feira, 18 de março de 2014


What really knocks me out is a book that, when you're all done reading it, you wish the author that wrote it was a terrific friend of yours and you could call him up on the phone whenever you felt like it. That doesn't happen much, though."
(O que realmente me impressiona é um livro que, quando você termina de lê-lo, você deseja que o autor que o escreveu fosse um tremendo amigo seu e que você pudesse ligar para ele sempre que tivesse vontade. Entretanto, isso não acontece com muita frequência) - tradução livre.

Há muitos que amam este livro da mesma forma que o protagonista descreve, de tal maneira que gostaria de ser um grande amigo do autor. E há aqueles que detestam esse livro, por diversas razões que pretendo explicar nesta resenha também. Apesar de dizerem por aí que este é um tipo de livro que se ama ou se odeia, acredito então que eu seja uma exceção. Não amei a ponto deste livro ter se tornado meu favorito, mas também estou bem longe de ter odiado a leitura. Talvez isso dificulte ainda mais o meu trabalho ao escrever esta resenha. 

"O apanhador no campo de centeio" nos conta sobre um garoto chamado Holden Caulfield, um jovem de 17 anos de uma família rica de New York, que acabara de ser expulso - novamente - de um colégio por conta de problemas graves em sua nota escolares e em seu comportamento. Mas antes de voltar para casa para encarar o inevitável desapontamento dos pais, Holden resolve passar um fim de semana sozinho pela cidade de New York. Por meio de devaneios e lembranças, reencontros em bares e conversas com motoristas de táxi, vamos acompanhando Holden por sua trajetória como jovem que é através sua visão do mundo ao seu redor. Eis que se resume toda a história. Não espere que nada surpreendente aconteça. Não há nenhuma reviravolta, nada extraordinário na trama. Para alguns, isso pode ser um motivo para não apreciar a leitura. Contudo, não para mim. O grande mérito do livro não está, na minha opinião, em uma trama cheia de clímax, mas na narração genuína de um adolescente. 

O autor J. D. Salinger tinha 32 anos quando seu romance foi publicado em 1951. Ao contrário dos dias de hoje, que há prateleiras extensas de livros para adolescentes nas livrarias, na época da publicação deste clássico a adolescência não passava de apenas uma fase irritante. J.D. Salinger fez um excelente trabalho ao dar vida a um adolescente de sua época - que não são tão diferentes assim do adolescentes de hoje. O livro é todo escrito em gírias e, uma linguagem direta e autêntica dos pensamentos de seu protagonista. A obra influenciou não apenas jovens da época, como também gerações seguintes, e até mesmo nos dias de hoje tem sua importância.

Alguns leitores acham Holden irritante e pessimista. Alguns leitores se incomodam com seu excesso de gírias e palavrões. As opiniões ácidas de Holden, suas críticas, suas dúvidas, seus sonhos acordados, receios, suas contradições entre os pensamentos e ações tomadas, tudo isto torna o livro muito interessante, mesmo quando não nos identificamos com o protagonista em todo momento.


"Certain things they should stay the way they are. You ought to be able to stick them in one of those big glass cases and just leave them alone.I know that's impossible, but it's too bad anyway."


Acho que é um livro que vale a pena ler e reler em diversas fases da vida. Eu, com toda certeza, não descartei a possibilidade de uma releitura para daqui a alguns anos, pois é com certeza aquele tipo de leitura que você extrai algo novo a cada leitura. Para quem ainda não leu, eu recomendo.


Minha classificação para esse livro é de  4/6- "Muito Bom".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.

apanhador no campo de centeio, O. Salinger, J.D.. Little Brown, 1998, 214 p.




7 comentários:

Ana Paula Barreto disse...

Já tinha ouvido falar do livro, mas nunca corri atrás de mais informações.
Não sei se quero ler neste momento, mas acho que conta ponto o fato do livro ser recheado de gírias e o personagem tão humano (ainda que irritante em algumas horas! rs).
bjs

Camylla Carvalho disse...

Eu quero ler esse livro mas não agora e sim daqui a uns anos...

http://foreverabookaholic.blogspot.com.br

Max Oliveira disse...

Oi Daiela,

Não li esse livro, mas imagino, pela sua resenha, que o autor deva ter empregado o realismo como estilo narrativo. Sei que muitas obras reflexivas, dessas que nos fazem questionar nossa existência, a vida e tudo mais, não faz muito sucesso entre uma geração de leitores que devoram os campeões de vendas e não possuem muita paciência para leituras mais profundas. Não sei se é o caso do livro, repito, ainda não o li. Mas sempre o vi sendo elogiadíssimo por que entende do assunto. Vou adicionar na lista.

Bjs.

http://maxliteratura.blogspot.com.br/

Karyme Carvalho disse...

Apesar de ser um livro famoso, nunca tinha sequer lido a sinopse. Fiquei curiosa, vou colocar na minha lista.

Folhas de Sonhos disse...

É um livro que quero muito ler, e acredito que eu deva amá-lo em virtude das questões debatidas sobre o assunto e pq dizem que o livro é meio tenso.
abraços!


Luciana M.

Michelli Santos Prado disse...

Olá Dominique...Não conhecia este livro,mas realmente sua resenha me deixou bastante interessada na leitura do livro, creio que seja uma leitura bastante agradável, e já inclui ele na lista de desejados!!
Beijos ♥

Cris Sampaio disse...

Como sempre vc venceu Dani, rsrs, se vc gostou sei q terei de ler ;)
Obrigada pelo blog mara de vc's, bjs perfumados de coisas boas!

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela