"A sangue frio" de Truman Capote

segunda-feira, 14 de abril de 2014


Não sei por quê", disse ele, como se aproximasse a pedra da luz e fizesse girar, procurando outro ângulo. "Eu estava danado com Dick. O garoto durão. Mas não foi por causa dele. Nem do medo de ser reconhecido. Eu estava disposto a correr o risco. Nem por causa de nada que algum dos Clutter tivesse feito. Não me fizeram mal nenhum. Ao contrário de outras pessoas. Ao contrário de tanta gente que me fez mal a vida inteira. Mas talvez os Clutter estivessem destinados a pagar por tudo."

Truman Capote (autor de "Bonequinha de Luxo") gabou-se ao lançar "A Sangue Frio" de ter criado um gênero literário, o "romance de não-ficção". E esta foi apenas uma das polêmicas que ladeia a obra de Capote.

Um dia Capote estava lendo o jornal quando viu a matéria sobre uma família no Kansas que fora brutalmente assassinada e resolveu escrever sobre o acontecimento. Ele fez as malas e foi para cidadezinha de Holcomb um mês após o assassinato ter ocorrido em 15 de novembro de 1959. Apenas seis anos depois o livro seria lançado.

Na cidadezinha rural do Kansas, vivia um pai de família, sua esposa e os dois filhos adolescentes - o casal possuía duas filhas mais velhas, uma já casada e outra na faculdade de Kansas City. A Sra. Cutter sofria de depressão e mal saía de casa. O Sr. Clutter, um fazendeiro rico e respeitado na região. E os filhos eram bons exemplos e muito amados por todos da sociedade local. Uma família que frequentava a igreja, tratava bem os funcionários, bons exemplos. Na aquela manhã de novembro de 1959, os quatro membros da família são encontrados mortos. Ninguém pode imaginar o motivo, ou quem seria capaz de tal crueldade. A polícia não possui muitas pistas. O namorado da jovem Nancy Clutter - que fora a última pessoa a deixar a casa na noite anterior é o principal suspeito a princípio, mas logo esta ideia é descartada. Naquela cidade pacata onde até então os moradores deixavam suas portas destrancadas, a suspeita se instalara. Qualquer vizinho passa a ser suspeito. Estão todos amedrontados. 

O autor, através de entrevistas com amigos, funcionários e moradores, descreve ao leitor o que teria sido o último dia da família Clutter e nos da uma ideia de como era cada um deles. Contudo, os protagonistas desta trama são os assassinos, Perry e Dick. 

Capote remonta em detalhes a noite do crime, a fuga, o que motivou os assassinos. Como se conheceram e relação complicada entre Perry e Dick que tinham personalidades tão distintas. A infância de cada um deles, os problemas familiares e dificuldades financeiras. Até o momento que são capturados, condenados a morte e levados à forca. 

Apesar de baseado em fatos reais, o autor é acusado de romancear não apenas a trama como também seus personagens, especialmente o acusado Perry Smith. Durante a leitura, não escapa ao leitor o sentimento de comiseração que o autor tenta despertar ao condenado. Em alguns momentos, lutei contra este compadecer pelo Perry, contudo quanto ao seu colega Dick, senti repulsa e fiquei enojada. Se foi proposital do autor despertar tais sentimentos ao leitor, não se sabe ao certo. Porém muitos acreditam que durante estes seis anos que Capote acompanhou o caso e manteve contato com os prisioneiros, desenvolveu certa afeição por Perry Smith. Esta seria outra polêmica envolvendo o livro.
Muitos dos entrevistados disseram ter suas declarações modificadas, e o fato do autor não utilizar de gravador em suas entrevistas fizeram com que fosse questionado o quão apurada seria sua obra.

O livro foi escrito e desenvolvido de forma primorosa. Não se trata de um romance, ou thriller, policial como estamos acostumados, e sim, um relato muito bem contado sobre o assassinato que deixou a cidadezinha do Kansas aturdida.

Eu achei a leitura muito interessante, mesmo não sendo exatamente o estilo de leitura que costumo ler. Foi fácil me envolver na história e fiquei impressionada com a forma bela que o autor descreve sem deixar a leitura cansativa. O livro me levou a muitas reflexões, algumas que são controversas discussões que ainda debato internamente.

Acho que esta foi uma leitura que valeu a pena. Tanto pelas polêmicas que envolvem o livro - e me deixaram curiosa em lê-lo - quanto pela trama em si que foi tão bem escrita. Algumas declarações de Perry me deixaram chocadas (veja abaixo), a morte da família Clutter me deixou chocada tanto quanto deveriam ter chocado os moradores de Holcomb. Se essa esta era a intenção do autor, ele foi decididamente bem sucedido.

Perry que havia tratado cada membro da família com gentileza, tentado suavizar a situação em que se encontravam, e inclusive impediu Dick de estuprar a jovem Nancy Clutter. E foi este mesmo rapaz que atirou em cada membro da família e fez a seguinte declaração:

"Se eu me sinto arrependido? Se é isso que você quer saber - não. Não sinto nada. Bem que eu queria. Mas nada daquilo me incomoda nem um pouco. Meia hora depois que acabou, Dick já estava fazendo piadas e eu já estava rindo delas. Talvez nem eu nem ele sejamos humanos. (...) Por que? Soldados não perdem o sono. Matam gente e ganham medalhas por matar. Os bons habitantes do Kansas querem me matar - e algum carrasco vai ficar bem satisfeito de ser encarregado da tarefa. Matar é fácil - muito mais fácil do que passar um cheque sem fundo."

"A sangue frio" é um clássico norte-americano que se deve entrar para sua lista de leitura de: "livros para se ler em algum momento da vida". Recomendado!

Minha classificação para esse livro é de  5/6- "Muito Bom".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.

A sangue frio. Capote, Truman. Editora Cia das Letras, 2003, 440 p.



11 comentários:

Rayme disse...

não conhecia a história, o autor, nem o livro ainda, mas fiquei curiosa
gosto de tramas assim, e esta parece ser ótima!
é baseado em fatos reais mesmo? :O
me sinto no dever de ler este livro. e vou até pesquisar outras obras do autor *-*

Max disse...

Olá Daniela,

Não li esse livro ainda, mas já ouvi falar um bocado dele. Depois dele, esse gênero que Capote alegou ter criado se desenvolveu e rendeu muitos outros como "Zodíaco" e "O Assassinato de Jesse James" por exemplo. Li e gostei muito de Zodíaco, um misto de jornalismo investigativo com narrativa, é de gelar o sangue.
Assisti ao filme "Capote" onde a trama apresenta essa estranha relação do escritor com Perry Smith.
Polêmicas à parte, gostei muito de sua resenha, tanto que vou incluir o título entre minhas futuras leituras.
Gosto de tramas policiais, apesar de preferir o gênero inglês, com mais inteligência e menos violência em contra partida com o norte-americano.
Bjs.

http://maxliteratura.blogspot.com.br/

Meninas Estante disse...

Que vergonha nunca li nada do autor! Mas Truman Capote sempre me pareceu um autor tenso, daqueles que nos envolve em sua leitura! Com toda certeza deve valer a pena ler esse livro, só por esse trecho do personagem que vc colocou, fiquei pasma e mega curiosa!

Bjs, Michele

Michelli Santos Prado disse...

Oi Dani!! Também não li nado do autor ainda, mas achei super bacana poder ter a oportunidade de ler a resenha do livro, fiquei super animada por se tratar de um crime, também uma leitura bem diferente das que ando realizando atualmente!!Parabéns pela resenha!!
Beijos!!

leticia costa disse...

Oi! Nunca li nada desse autor, mais me parece que o livro é muito bom, depois desse post vou procurar saber mais sobre ele. Com certeza deve valer a pena ler esse livro, fiquei muito curiosa agr pra saber como é que ele é.
Parabéns pelo post !!

Camylla disse...

Ta todo mundo falando tão bem desse livro e ainda não li nada dele :/
Forever a Bookaholic

Folhas de Sonhos disse...

Incrível dica de leitura! É um livro já muito conhecido do autor, mas ainda não sabia exatamente do que se tratava. Imagino que o texto seja tido como que documental.. o que me lembra o livro Na Natureza Selvagem, do Krakauer. Eu gostei deste, então gostaria de A Sangue

Gláucia B. de Lima disse...

Não sei se conseguiria ler esse livro, devido a crueldade apresentada. Sou muito sentimentalista para isso. Mas as polêmicas que o envolvem, torna-o interessante (para mim).

Karyme Carvalho disse...

O livro parece ser interessante, mas não gosto muito do estilo.

Georgia Germer disse...

Capote é increvelmente versátil. O que assemelha suas obras é seu toque polêmico e a maneira com a qual utiiliza para fazer críticas a sociedade. Lendo apenas a resenha, já pude mergulhar e me sentir fisgada pela historia, portanto fiquei com muita vontade de ler este e os outros livros do autor!

JessicaLisboa disse...

Nunca li nenhum livro desse autor, mas pelo que pude notar a trama do livro e sem duvida muito boa! Espero poder ler logo!

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela