"Os Garotos Corvos" de Maggie Stiefvater

quarta-feira, 25 de junho de 2014


Sinopse - Todo ano, na véspera do Dia de São Marcos,­ Blue Sargent vai com sua mãe clarividente até uma igreja abandonada para ver os espíritos daqueles que vão morrer em breve. Blue nunca consegue vê-los — até este ano, quando um garoto emerge da escuridão e fala diretamente com ela.
Seu nome é Gansey, e ela logo descobre que ele é um estudante rico da Academia Aglionby, a escola particular da cidade. Mas Blue se impôs uma regra: ficar longe dos garotos da Aglionby. Conhecidos como garotos corvos, eles só podem significar encrenca.
Gansey tem tudo — dinheiro, boa aparência, amigos leais —, mas deseja muito mais. Ele está em uma missão com outros três garotos corvos: Adam, o aluno pobre que se ressente de toda a riqueza ao seu redor; Ronan, a alma perturbada que varia da raiva ao desespero; e Noah, o observador taciturno, que percebe muitas coisas, mas fala pouco.
Desde que se entende por gente, as médiuns da família dizem a Blue que, se ela beijar seu verdadeiro amor, ele morrerá. Mas ela não acredita no amor, por isso nunca pensou que isso seria um problema. Agora, conforme sua vida se torna cada vez mais ligada ao estranho mundo dos garotos corvos, ela não tem mais tanta certeza. 
"Ela não estava interessada em ler o futuro de outras pessoas.
Estava interessada em correr atrás do próprio futuro."

Os Garotos Corvos de Maggie Stiefvater me conquistou pela originalidade e pela complexidade de sua história, onde a autora teceu uma teia de mistérios intricados e nos convida a nos aventurarmos em uma missão ao mesmo tempo sublime e suicida. 

A princípio, nós temos o mistério de Blue Sargent, uma garota que sempre viveu rodeada por médiuns que lhe previam sempre a mesma coisa: se ela beijar seu amor verdadeiro, ele morrerá. Porém, ao contrário do que eu imaginava, a história não gira em torno do possível romance entre Blue e um dos estudantes da Academia Aglionby, já que inevitavelmente, ela se vê atraída para o mundo dos garotos corvos. 

Na véspera do Dia de São Marcos, todos os anos, Blue vai com sua mãe para uma igreja em ruínas para ver os espíritos das pessoas que morrerão naquele ano. Blue nunca vira um espírito até aquela noite, quando um garoto da sua idade e vestido com o uniforme da Academia Aglionby surge na escuridão e diz se chamar Gansey. Ela sabe que o rapaz irá morrer, mas não conhece a forma e decide mais do que nunca não se aproximar jamais de nenhum estudante da academia. Porém, o destino faz com que seus caminhos se cruzem e Blue acaba conhecendo Gansey, Adam, Ronan e Noah que estão a caminho da maior missão nunca imaginada por nenhum outro jovem e precisam dela para concretizar a aventura.

"Gansey poderia ter todos os amigos que quisesse. Em vez disso, havia escolhido três deles, três sujeitos que deveriam ser, por três razões diferentes, destituídos de amigos."

Gansey, Ronan, Adam e Noah não poderiam ser mais diferentes um dos outros. Gansey é o típico riquinho, inteligente, tem tudo ao seu acesso e um futuro brilhante, mas por motivos pessoais, decidiu se dedicar na busca incansável pelo rei adormecido e tem como objetivo proteger seus amigos a todo custo, mesmo que em alguns momentos, ele tenha que fazer o papel de "babá". Ronan é insuportável, agressivo, irônico e desconfiado. Também vem de uma família rica e tem seus motivos para ser tão traumatizado e odiar a vida. Só não foi expulso ainda da Academia porque Gansey não deixa que ele se afunde mais. Adam é o único do grupo que é pobre e que teve que conquistar uma bolsa na Academia para estudar. Sonhar em sair de casa de cabeça erguida, sem precisar de ajuda externa para conquistar seus objetivos. Seu pai é agressivo e o detesta, motivo de constantes discussões com Gansey, que quer que ele vá morar em seu apartamento. Noah é calado, solitário, esconde um terrível segredo, capaz de nos surpreender.

Gansey é o líder do grupo e tem completa fascinação pelo mito de um rei adormecido que concederá um desejo ao herói que o acordar. O caminho para chegar até a esse rei é um mistério e completamente desconhecido, mas sabe-se que quem entrar nas linhas ley (linhas espirituais de energia, como se fosse uma ponte entre esse mundo e outro), poderá encontrá-lo. Cada um dos rapazes, inclusive, Blue, tem um motivo para querer encontrar esse mito. No entanto, achar uma linha ley é muito difícil e, por isso, eles precisam de Blue que parece ser um imã, condutora de energia. Quando finalmente eles estão no caminho correto, certos acontecimentos abalarão a estrutura do grupo e tudo o que eles acreditam, colocando a prova a lealdade deles uns para os outros.

Eu apreciei bastante a história que é inteligente e intrigante em diversos aspectos, mas em compensação em alguns momentos é um pouco cansativa por ter muitos diálogos falando sobre a utilidade, perigo e funcionamento das linhas ley, assim como, sobre o mito do rei adormecido. É impossível, porém, passar pela história sem essas explicações por mais confusas que elas sejam em alguns momentos. Acredito que no próximo livro Ladrões de Sonhos, a história flua com mais facilidade. 


Minha classificação para esse livro é de  4/6- "Muito Bom".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.

Os garotos corvos. Stiefvater, Maggie. Editora Verus, 2013, 376 p. 

A Saga dos Corvos
  • Os Garotos Corvos #1;
  • Ladrões de Sonhos #2.


10 comentários:

Manu Hitz disse...

Nem sei como dizer algo sobre um estilo que nunca li, Dominique. Tambem nao sei se arriscaria um livro assim. So sei que alguns livros ficam cansativos e ate entediantes se preenchem muitas paginas com informaçoes esmiuçadas alem do necessario. Isso tb me incomoda.
Beijo.

Rayme disse...

ah um tempo atras tinha lido uma resenha deste livro e fiquei curiosa. depois andei lendo outras e acho que não vou gostar muito desta trama não ;x
não é muito o meu estilo de leitura, então não sei se vai me agradar muito ;~~

Jois Duarte disse...

Acho a capa linda, mas a sinopse não me chamou a atenção. E vc salientou algo mais que detesto: essa mania de detalhar tudo pq fica uma repetição eterna. Gostaria mesmo de ler a série do livro Calafrio.

Oliveira disse...

Da autora li a primeira série dela e amei. Mas, esse ainda não li. Parece ser boa também.

Raquel Pereira disse...

Apesar de ter muitos diálogos que tornam a história cansativa, eu achei bem interessante a resenha e fiquei com muita vontade de ler o livro.

Bjok

Gabriela S. disse...

hm, não gostei muito desse livro. N sei, mas n me agradou muito...
Com certeza não é o livro que eu leria em um futuro próximo.

Jess M, disse...

Já vi muitos elogios para esse livro, mas ainda não havia lido uma resenha porque o título e a apresentação dele não tinham me convencido.
O enredo parece ser muito bom, mas esses diálogos cansativos e confusos, não sei não...
Poderia até tentar, mas pelo que li na resenha, não faz meu tipo de leitura, e ainda sendo uma série acho que não conseguiria continuar


bj

Lais Lucena disse...

Só para começar, essa capa está linda demais! Gostei dos tons sombrios e dos traços feitos. Li que você disse que o livro tinha muitos diálogos e que acabava atrapalhando a leitura, mas eu não acho que isso seja um problema para mim. Encararia esse livro numa boa, até porque a história dele é bem interessante.

karolyne kazakeviche disse...

Este é um dos meus desejados faz tempoooooooo....
e vi que vão lançar a continuação em breve, enfim. Uma pena que é carinho, mas mesmo assim, espero poder comprar em breve e lê-lo. Parece muito bem escrito e os personagens ótimos.

Rafaela Saturnino disse...

Esse livro é sensacional!! Eu comecei a ler ele na livraria pra ver se gostava e ADOREI. Tive que comprar pra acabar de ler. Sempre fico meio com o pé atrás quando falam muito bem de um livro, mas esse eu realmente amei hahahaha Eu comprei a continuação em inglês, mas ainda não li.

Beijos!

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela