"Eterno Castigo", de Kizzy Ysatis

quinta-feira, 18 de setembro de 2014


Sentidos apurados distinguiram um perfume. Era um aroma de prazer suave e demorado que há muito não sentia, mas, ainda assim, a vampira o reconheceu. Encolheram-se os músculos soando o alarme. Era o vampiro Luar.

ATENÇÃO: RESENHA ALTAMENTE EMOTIVA!

Conheci o vampiro Luar em 2006, em um fim de ano quente como todos os outros. Estava prestes a me formar no Ensino Médio Normal e tinha 18 anos. Encontrei Luar, ou ele me encontrou, num lugar à altura de seu charme: uma biblioteca pública. Fui encantada logo de início com a bela diagramação, com as citações no começo de cada capítulo, com a escrita soberba e com Luciano. As angústias sentidas pelo jovem Luciano eram as minhas da época, era como se aquilo fosse escrito para mim! Jamais esqueci. Outra coisa que me fez crer que estava destinada a ler aquele livro foi a data em que toda a ação começou: Sexta-Feira Santa, 29 de março de 2002. Data do meu aniversário de 14 anos. Nunca um livro tinha me tocado assim tão intimamente. E o vampiro Luar, com toda a sua majestade, charme e soberba me conquistou para sempre. Em outro verão, desta vez em 2008, já no meu segundo emprego, conheci as Sibilas Rubras através de seu Diário. Era Luar, mais uma vez aparecendo na minha vida.

Ele demorou a voltar, mas voltou. Qual não foi minha surpresa esse ano quando Kizzy Ysatis e Giulia Moon anunciaram o encontro de Kaori e Luar em duas coletâneas de contos! A ansiedade foi tanta para conferir esse encontro histórico que fui até São Paulo conferir, na Bienal do Livro. Dessa vez, levei Luar para casa, e ele ficou me observando, personificado pelo belo Igor Maion na capa, enquanto eu lia o primeiro encontro de seus encontros com a vampira oriental Kaori, no livro Flores Mortais, da Giulia Moon. A ansiedade foi tanta ao final da leitura, que me travou a iniciar Eterno Castigo, e um livro fino, que se lê em um dia, me custou uns três, porque não queria que acabasse, não queria que chegasse na novela. Mas li, li todo. E me surpreendi.

Kizzy Ysatis, como já disse antes, tem uma escrita soberba, elegante, apurada, deliciosa de se ler. Tem a beleza dos antigos clássicos românticos e pitadas de uma modernidade irônica, sedutora, sarcástica. O livro é dividido em duas partes: a primeira de contos sobre o Paralelo Noturno (“Conto é aquilo que o autor quer que seja conto” – Mário de Andrade, São Paulo, 1922) e a segunda com a novela Perfume para Kaori (“Novela é aquilo que o autor quer que seja novela” – Kizzy Ysatis, Bahia, 1886. Piada interna. Nem eu sei o que significa. Rsrs). Os contos são bem simples e pequenos, mas cheios de significado. O segundo, Cajita de cigarrillos, soube que era muito assustador, e que a editora da Giz ficou com medo por ter lido sozinha à noite. Acendi as luzes e fiquei bem perto do meu marido, mas não o achei assustador: achei um soco no estômago, na cara, no coração. É triste de uma forma angustiante! Te dá um aperto na alma, uma dor... E a narrativa é totalmente inovadora, por misturar primeira pessoa (na visão de suas pessoas diferentes) e terceira. Bem, o segundo que mais me chamou a atenção não poderia ser outro se não o conto que dá nome ao livro. Esse sim é assustador! E macabro! E misterioso! E... sanguinolento! E, sim, #VaiTerLuar, meu bem! Crueldade é apelido nesse conto.

E a novela, que demorei pra ler por medo de acabar rápido demais (e acabou, li em algumas horas). Kaori recebe a visita de uma certa Sibila Rubra em sua casa na Liberdade, em 1956, com um pedido de ajuda de um certo tengu (corvo) que ela conheceu no Largo de São Francisco nos anos 1920. Esse encontro tem tudo pra ser explosivo, e surpreendente, e não decepciona. O humor é ácido, o terror é requintado e a escrita, como sempre, impecável. E o final, é de derrubar qualquer kyuketsuki. Impossível não se emocionar. E impossível não querer reler tudo de novo, Kaori 1, Kaori 2, Clube dos Imortais e O Diário da Sibila Rubra! Infelizmente não tenho Kaori 1 e nem o Clube, o que parte meu coração... Mas fica a lembrança, e a esperança de ter mais encontros como esses entre meus dois de meus vampiros favoritos de toda a literatura. E, pelo amor dos deuses, Kizzy, ESCREVA MAIS, HOMEM! Sua escrita é a coisa mais linda da atualidade, não nos deixe muito tempo sem esse néctar! É um favor que você faz para a Literatura Nacional!

P.S: as ilustrações são FAN-TÁS-TI-CAS!

            “Acredita e não tenhas medo
            Faz o teu que a magia acontece
            Enxerga primeiro que depois aparece”.

"Todas as mulheres estão unidas na dor, no sangue e no fogo. E assim forjam o raio invencível do amor”.



Minha classificação para esse livro é de  5/6- "Excelente".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.


Eterno Castigo. Ysatis, Kizzy. Giz Editorial, 2014, 152 p. 

 

14 comentários:

Rayme disse...

estou admirada. nunca pensei que sentiria vontade em ler um livro de vampiro.
desde Crepúsculo, nunca achei um livro com esta trama tão envolvente. tentei ler uns e nenhum me agradou, só me desanimava...
mas, sinceramente, este parece ser ótimo mesmo, e vendo você falar coisas tão boas assim sobre ele, me deixou mais curiosa ainda! e esses detalhes ai da trama, como as datas e tudo o mais... muito bem pensado! hahaha
e o mais incrível de tudo isso é saber que o livro é nacional! sério mesmo? é muita coisa boa em um livro só! necessito dele para ontem!! ;~~

Nil Macedo disse...

Na verdade eu não gosto muito do tema vampiros. Fiquei farta de tanto vampirismo depois de Crepúsculo. Mas esse me pareceu bem diferente. Acho que pelo terror que pode causar. Seria um livro de vampiros que eu leria, mesmo não gostando de contos. Mas gosto muito de livros que dão medo. rs.

bjs.

Karine disse...

Na verdade, eu também me senti um pouco saturada, porque surgiram muitos livros com a mesma temática. Mas, quase todos os mais famosos, eram leitura mais Young adult, o que não me agrada muito, por isso fiquei meio imune, não li quase nenhum. Kkkkkk. Esse livro está mais pros livros da Anne Rice, pelo terror, pelo charme, e por serem vampiros "de verdade". O vampiro Luar é único, sem frescuras, sem mimimi. E, se vc gosta de livros que dão medo, esse dá. kkkkkk. Eu já gosto de contos por serem uma leitura rápida. O ruim é quando deixam com gosto de quero mais...
Bjks.

Karine disse...

Menina, então comece URGENTEMENTE pelo Clube dos Imortais, que é o primeiro livro do Kizzy. Vc vai AMAR! É envolvente, elegante, sem o mimimi dos vampiros atuais. Depois siga com o Diário da Sibila Rubra, que mistura bruxas! E tudo isso no Brasil, meu bem! Luar é um vampiro bem brasileiro! E, se vc gosta de literatura brasileira clássica, do Romantismo, tipo Álvares de Azevedo... Então esse livro é feito pra vc! Rsrs.
Bjks.

Gustavo Mendes disse...

Sou completamente apaixonado por vampiros, e esse foi um livro que me cativou bastante. Gostei muito da resenha, e a capa é linda !

Beijos

http://ummundochamadolivros.blogspot.com.br/

Augusto Borges disse...

Oi! Quer ler histórias inéditas?

Acesse http://eucontoestoria.blogspot.com.br/ Obrigado ;)

Todo autor precisa se divulgar...

Histórias sem leitores, não geram sonhos.

Vivian Rocha disse...

Fiquei um pouco confusa com a resenha, mas acho que pelo que entendi tem haver com a resenha anterior e como no comentário você elogiou justo esse dois vampiros pelo que entendi cada um é de uma autora e nesse conto eles se encontram é isso? rsrsrs
Bjs

Karine disse...

Isso! A vampira Kaori é da Giulia Moon e o Luar é do Kizzy Ysatis. Os dois autores são amigos, então resolveram escrever esse crossover. A Giu escreveu o primeiro encontro entre os dois em Flores Mortais, e o Kizzy escreveu o segundo, nesse livro.

Karine disse...

Obrigada, Gustavo! É maravilhoso, e o gatchenho na capa é o Igor Maion.

Vivian Rocha disse...

Agora entendi! Obrigada pela explicação!

Bianca Martins disse...

hahaa...altas emoções na resenha então...=P
Como eu já disse, n gosto mto de livros com vampiros nesse estilo...
Tbm n gostei da capa...sei lá...
Vc podia ter colocado umas fothenhas das ilustrações aqui p gnt ver neah ^^

Karine disse...

Então, Bianca, não encontrei as ilustrações em boa qualidade na internet... Bem que queria colocar. :-(

Wal Bandeira disse...

Nossa você pelo jeito adora esta autora rsrs,
é tão bom quando encontramos um autor assim, que fica marcado.
Livro que traga ilustrações são poucos eu fiquei curiosa em ver mais delas,
mas o livro em si não me atrai, acho legal autores se juntarem ou foi os personagens que se juntaram...rs, mas a ideia é muito legal,
beijos.

Kris Oliveira disse...

O enredo parece ser bem interessante, ainda mais por se tratar de um livro nacional. Os elementos remetem a uma trama altamente elaborada. Mas como eu disse antes vampiros não tem muito me atraído no momento.
mas salvarei a dica por aqui, quem sabe mais adiante eu não me anime com essa leitura?

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela