"Escravas da Coragem" de Kathleen Grissom

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015



Escravas da Coragem foi uma leitura surpreendente! Apesar de ter lido inúmeras resenhas elogiando o livro, eu esperava não ser cativada tão imediatamente pela história. Assim que comecei a leitura e os fatos foram se sucedendo, eu não conseguia parar de ler. Queria mais, mais e mais. Precisava desesperadamente saber o que aconteceria com aquela família de escravos e a pequenina branca. Peguei-me chorando em diversas passagens que de tão ternas, me comoveram. 

O livro conta a história de duas mulheres vibrantes e corajosas, Belle e Lavinia. Contado em primeira pessoa, intercalado entre as duas personagens temos um panorama do que acontece na fazenda, quem são as pessoas que vivem ali, o que fazem, seus sonhos, medos, desafetos e maldades. Logo no início, conhecemos a fazenda e seus moradores pelos olhos de Lavinia, uma menina branca, adoentada e ferida emocionalmente que foi trazida como escrava para trabalhar na cozinha. Incumbida de cuidar da criança, Belle, escrava mestiça, se aborrece a princípio, pois tem muitos problemas na Casa Grande para resolver como ter cuidado com dona Marta e com seu filho, Marshall, que a detestam, além de ter que cozinhar para todos. Mas seu coração enorme não resiste e ela acaba acolhendo Lavinia como sua própria filha, apesar da menina ser branca, sabe que a cor é um mero detalhe. 

O contato com Mama Mae, Papa George, as gêmeas, Dory e Ben, além é claro de Belle, aos poucos vai conquistando o coração da pequenina Abinia, como mais tarde é carinhosamente chamada pela família de escravos. A garota tem tanto amor para dar que não se recusa a cuidar de Dona Marta, a senhora da casa, mesmo ela estando meio louca e doente. Também é sempre carinhosa e preocupada com Marshall, o filho mais velho do capitão e que sempre faz maldade com os escravos na fazenda. Sua inocência e ingenuidade é tão grande que ela não consegue perceber o clima tenso que existe entre os moradores da Casa Grande e os negros da cozinha que possuem algumas regalias, assim como não entende o motivo pelo qual, os negros da senzala são tratados tão mal. Para a menina, a cor não significa nada e seu amor pela família que a acolheu só cresce conforme o passar dos anos.

Kathleen Grissom construiu uma história sensível e delicada sobre a escravidão, onde os negros eram tratados com crueldade e considerados inferiores aos brancos, sendo muitas vezes agredidos, mutilados e violentados sem ter ninguém para defendê-los da ira do capataz ou do senhor da fazenda. Lavinia não faz distinção de cor - na realidade, ela gostaria de ser negra como a família que a acolheu e mesmo quando se torna moça, seu sentimento não modifica, pelo contrário, ela só deseja cuidar deles, dar-lhes o melhor. É um contraste vivo, onde a cor da pele não define quem você é - bom ou mau, e sim, seu caráter. 

Os personagens foram ricamente construídos, moldados na coragem, audácia, bondade e humildade. E em uma força de caráter que mesmo sendo vítimas de toda maldade, encontram forças uns nos outros e coragem para vencer os obstáculos. Os cenários também foram bem detalhados e nos convidam a entrar e viver naquela história. A cozinha de Belle se tornou tão familiar para mim que eu me sentia dentro dela, com seus cheiros, cores e sabores. Até mesmo os vilões tiveram algo a acrescentar a história, apesar de suas maldades, eu torcia por uma redenção que eles não mereciam. 

Sei que algum dia relerei esse livro, pois já estou com uma saudade intensa dos personagens. O final foi tão triste que eu não tinha nem mais lágrimas para chorar. Sinceramente, eu esperava mais respostas do que aconteceu com alguns personagens, ficou meio vago, não sendo o final perfeito que a gente espera de um romance, não depois de tanto sofrimento. Mas foi um final que aqueceu minha alma! Leia, leia esse livro. Super recomendado! 


Minha classificação para esse livro é de  5/6- "Excelente".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.

Escravas da Coragem. Grissom, Kathleen. Editora Arqueiro, 2014, 331 p.



4 comentários:

Any disse...

Nossa, esse livro parece ser daqueles que despertam emoções intensas... Não sei se leria, pois sou bastante emotiva...
Legal quando lemos um livro que nos dá aquela sensação de que estamos ali, naquele ambiente, não é mesmo?!

Rayme disse...

inicialmente eu não tinha ficado com muita vontade em ler este livro, mas depois dessa sua resenha, fiquei super curiosa!
realmente, parece ser uma leitura ótima... cheia de emoções, bem do jeito que eu gosto! hahahaa

Karine disse...

Parece ser lindo! E vendo vc me contando no metrô, toda emocionada, parte da história, me deu ainda mais vontade de ler!

Daniela Tiemi disse...

Ai, sua resenha aguçou minha curiosidade. Parece um livro lindo e emocionante, e gosto de dramas. Vou colocar na lista. =D Bjo.

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela