"Trilogia Fixed" de Laurelin Paige

terça-feira, 22 de setembro de 2015






“Eu feri pessoas. Profundamente. Mas isso foi antes. Um passado menos que ideal, lembra-se? Mas isso não significa que esse passado venha a definir nosso futuro.”


Meninos e meninas como vocês estão? Eu estou muito bem, obrigada.

Há algumas semanas atrás eu estava sentada em casa, sem muito para fazer, e ai me lembrei que eu tinha alguns livros na minha estante, e como eu estava na pilha de ler um romance, decidi ler o livro de Laurelin Paige. A primeira coisa que pensei foi: “vou dar mais uma chance para os livros eróticos, mesmo depois daquela decepção com Cinquenta Tons de Cinza”.

Pois então, eu li. E não é que eu gostei?!

A história é sobre um casal (é claro). Alayna (é impressão minha, ou personagens principais de livros eróticos precisam ter um nome estranho?) e Hudson se conhecem e ai é toda aquela coisa normal de tensão sexual que parece que ninguém ali nunca passou pela adolescência e não sabe o que é ter hormônios saindo pelos poros. Enfim, Hudson se diz ser um homem incapaz de amar, Alayna ama demais (ela costumava perseguir os caras por quem se apaixonava). Pense numa relação saudável. Então, essa não era para ser uma.

O que acontece é que Hudson pede que Alayna seja sua namorada de mentirinha, alegando que os pais insistem para que ele se case com sua amiga de infância, Célia (o que ele não quer). Alayna aceita, e é lógico que da merda. Ela começa a se apaixonar por um cara que alega não poder amar ninguém, e começa a se apegar demais, voltando todo um problema que ela já tinha, o que era de se imaginar.



"Nós não éramos loucos, ou sociopatas, ou pessoas horríveis. Nós só queríamos ser amados."


Atenção! Vai começar os spoilers! (São spoilers pequenos, de coisas que vão acontecer nos próximos livros, mas nada que comprometa muuuito a história). Leis por sua conta e risco.

No segundo livro, podemos ver que a relação de Hudson e Alayna subiu um degrau e eles estão realmente se dando bem. Mas o negócio é que agora Hudson é quem está levando as coisas rápido demais, e para alguém com problemas emocionais como Alayna, isso pode ser uma dificuldade imensa.
Célia e Alayna agora estão começando a se conhecerem melhor e tudo está caminhando para dar certo, mas é claro que, como estamos no segundo livro e as coisas precisam fluir, vai dar merda. De novo.
Alayna ainda não consegue conter seus ciúmes, e ainda por cima, Hudson não abre a boca para falar uma simples frase: “Eu te amo”. Além da garota ter que aprender a lidar com a mãe de Hudson, que é uma vadia bêbada que parece não ter filtro nenhum para o que sai de sua boca e que dá vontade de arrastar ela no asfalto por treze quilômetros uma pessoa difícil.


"Você está com medo de que outras pessoas não consigam ligar com seus pensamentos e seus sentimentos. E eu não posso prometer que possam. Mas isso é quem você é. Não vai sumir. Se você não pode compartilhar quem você é com as pessoas que a amam, então talvez essas pessoas não a amem de verdade."

No ultimo livro da trilogia, vemos como Hudson e Alayna se amam (apesar de ele AINDA não ter dito nada), vemos cenas de sékçu e vemos muitas revelações que são de cair o cu da bunda.

Na ultima parte dessa história, Alayna percebe melhorias em si mesma como pessoa, mas os segredos de Hudson estão deixando ela maluca, o que não é nada bom para alguém como ela. Alayna tenta se manter longe da verdade, acreditando que ele irá contar o que ela precisa saber no momento certo, mas ela acaba descobrindo as mentiras antes do tempo, e eles vão passar pela maior provação possível para provar seu amor um pelo outro.

Acabou spoiler!


"Eu posso facilmente dividir minha vida em duas partes: antes e depois dela."

Este é o quarto livro da série. Nele vemos todos os acontecimentos mais importantes dos três livros anteriores através do ponto de vista de Hudson, além de conhecermos um pouco mais de sua história anterior, antes de ele conhecer Alayna.

É ótimo poder enxergar e entender melhor o personagem e o porque ele se tornou um homem tão misterioso.


Galera, eu gostei do livro. De verdade. Os personagens são reais, com problemas que a gente acha que são incomuns, mas que na verdade muitas pessoas têm. Gostei também do romance entre o casal, que é muito mais forte do que o romance entre Anastasia e Christian. Só teve uma coisinha que me incomodou: no primeiro livro, Alayna tá num cio fodido, porque ela não pode olhar para o Hudson que já alega estar mais molhada que tampa de marmita.

Ah, e não podemos nos esquecer que, apesar de Alayna ser uma personagem que precisa de carinho e de cuidados, ela não é aquela personagem virgem, indefesa que precisa de um príncipe. Ela é adulta, decidida e sabe muito bem o que quer, e isso me fez gostar ainda mais da história.

Outro ponto positivo do livro é como as cenas de sexo foram escritas e espaçadas. Não é aquela coisa cansativa que se vê em Cinquenta Tons de Cinza, onde os dois não param de transar e a mulher não pode ouvir o nome do cara que já está se despindo. As cenas são diferentes umas das outras e demonstram como cada personagem se sente através delas, como está o relacionamento entre os dois, etc. Além de não ser sexo o livro inteiro e existir uma história por trás de tudo.

Espero que tenham gostado e um beijo na bunda para todos.




Minha classificação para esses livros é de  4/6- "Muito Bom".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.



Nenhum comentário:

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela