"Magnus Ghase e os Deuses de Asgard" de Rick Riordan

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016



Eu amo o Tio Rick, pessoal. É sério! Fui fissurada durante muito tempo na saga de Percy Jackson, que eu amei tanto pelos personagens cativantes quanto pela genialidade da história. Quando comecei a ler Magnus Ghase, eu esperava mais do autor, a mesma vivacidade inteligente da primeira saga lançada. Mas confesso que me decepcionei.

Conversei com vários amigos que leram o novo livro e adoraram. Talvez, eu estivesse em um mau momento - fim de ano, encerramento escolar, cansaço véspera de férias, enfim, vários fatores que contribuíram para cada vez que eu pegava o livro, eu cochilava, literalmente. 

Dessa vez, o autor resgata elementos da Mitologia Nórdica, onde personagens da Marvel muito conhecidos por nós são citados o tempo inteiro como Thor, Loki e Odin, entre outros e suas histórias fantásticas. Tudo misturado com os tempos atuais, onde a tecnologia se faz presente até em Valhala e outros mundos dos deuses. 

Magnus é um rapaz de dezesseis anos que já foi testado de todas as formas pela vida: viu seu apartamento ser invadido por lobos enormes e sua mãe morrer tentando defendê-lo. A partir desse dia, ele viveu nas ruas de Nova York como mendigo. Até o dia em que o mundo vira novamente de cabeça para baixo e um homem grandão aterrorizador chamado Surt, resolve tentar matá-lo a todo custo por causa de uma espada que pertence por direito de nascença a Magnus. Outros personagens são adicionados a trama como o elfo Hearthstone e o anão Blitzen, que são como protetores do jovem. Também a valkíria Sam, uma das melhores personagens da série. Ela é irônica, inteligente, leal e durona. Uma profecia prevê o fim do mundo, isto é, a aproximação do Ragnarök, o dia do juízo final. Magnus tem um papel crucial - de evitar que aconteça o Ragnarök antes do tempo ou de antecipá-lo. 

O início da história é muito arrastada, demora para engrenar a ação. Também achei as referências ao mundo moderno x mundo dos deuses nórdicos muito forçado. Por exemplo, que Thor gosta de assistir seriados, a partir do seu martelo que capta um ótimo sinal de internet. Ou que Odin gosta de dar palestras motivacionais. Outras passagens do livro, eu curti e ri bastante como o duelo entre os anões. 

Não vou desistir da série por ter ficado desapontada com o primeiro livro. Muitas séries ganham fôlego no segundo livro em diante. Se você leu o livro, conte-me sua opinião. 


Minha classificação para esse livro é de  3/6- "Bom".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.

Magnus Ghase e os Deuses de Asgard. Riordan, Rick. Intrínseca, 2015, 448 p.


Nenhum comentário:

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela