"O Cavaleiro da Morte - Crônicas Saxônicas #2", de Bernard Cornwell

domingo, 17 de janeiro de 2016

Mas muito embaixo da terra, onde a serpente cadáver morde as raízes da Yggdrasil, a árvore da vida, há três fiandeiras. Três mulheres que fazem nosso destino. Podemos acreditar que temos escolha, mas na verdade nossa vida está nos dedos das fiandeiras, Elas fazem nossa vida, e o destino é tudo. (...) O destino é inexorável"
Não teve jeito, assim que terminei "O Último Reino" tive que emendar logo nesse segundo volume das Crônicas Saxônicas. Até porque, com a série The Last Kingdom bombando e abrangendo os dois primeiros livros, tive que ir lendo e acompanhando ao mesmo tempo, e não me arrependi de ir ganhando um ou dois spoilers durante a leitura.

Nesse segundo volume logo de cara encontramos nosso (anti) herói Uhtred de Bebbanburgh ligeiramente entediado com sua vida de nobre, casado com uma esposa exemplar saxã católica fervorosa e dono de uma propriedade. A primeira parte do livro conta como ele se uniu à melhor pessoa de Wessex, seu amigo Leofric, roubou, digo, pegou emprestado, um dos navios do rei Alfredo e foi fazer o viking, com direito a muitos saques, estupros e lutas, bem ao estilo dinamarquês. Numa dessas incursões ele conhece a Rainha das Sombras Iseult que seria sua companheira nessa segunda parte da jornada e o monge irmão Asser, filho da puta de marca maior que todo mundo odeia mesmo com todas as forças. Mas esse é só o começo, pois logo ele é obrigado a voltar à ação quando o último reino, Wessex, é invadido pelo earl Guthrum.

Os dinamarqueses atacam Wessex quando ninguém esperava, tomam o reino e acuam o rei Alfredo em um pântano junto com sua família, alguns homens fiéis e Uhtred. Ali, no meio do nada, o inteligente rei quase se deixa abater: não é mais rei de nada, seu filho e herdeiro, Eduardo fica gravemente doente, seus nobres estão longe, os dinamarqueses tomam toda a cidade e, numa das cenas mais antológicas e épicas, apanha de enguia da dona da casa onde se estabelece, por não ter vigiado os pãezinhos que acabam queimando (sim, foi ÉPICO ver o rei apanhando de enguia). Porém, quando decide finalmente agir, mais uma aliança improvável entre o rei cristão e o guerreiro pagão é formada para tomar de volta aquele que é o último reino livre de dinamarqueses da Inglaterra.

Preciso dizer que Cornwell é gênio, que esse livro é mais uma obra prima e que essas crônicas são sensacionais? A essa altura, acho que não. A escrita de Cornwell te coloca dentro do livro, sentindo o calor da batalha, o cheiro do sangue, a canção da espada, o som de escudo batendo em escudo nas shieldwalls, o êxtase da batalha que o personagem principal sente quando está em combate... Você dá muitas risadas (sim, ri que nem uma retardada mais uma vez dentro do ônibus), porque o humor de Uhtred está ainda mais afiado, irônico e sarcástico, e Leofric, melhor pessoa, te faz rir ainda mais.

Estamos enfiados nisso até o cu. (...) Até o nosso cu real - LISPECTOR, Leofric

Outros personagens que aparecem dão ainda mais charme à narrativa, como o padre Pyrlig, MELHOR PADRE DO MUNDO, guerreiro, desbocado, destemido e, bem, padre. Steappa, que você começa odiando e depois ama de todo coração. E o grande antagonista do livro, o que nomeia o livro (no original, The Pale Horseman, o próprio cavaleiro branco) Svein do Cavalo Branco, que apesar do nome esquisito te dá um medo do cão, por ser bem doido mesmo. E mais uma vez vemos batalhas memoráveis, magistralmente escritas, muita História e Uhtred sendo Uhtred e Alfredo sendo Alfredo (apesar de toda a filhadaputice que ele faz, não tem como não amar. Deve ser por causa da série).

A segunda temporada da série GRAÇAS A ODIN já foi confirmada pela BBC, então em breve terei que ler o terceiro volume, "Os Senhores do Norte", mas vou dar um tempo para pôr outras leituras em dia. Em breve, resenha da primeira temporada de The Last Kingdom aqui no blog também, então, aguarde que vem mais Uhtred por aí.


Crônicas Saxônicas, de Bernard Cornwell 

O Cavaleiro da Morte
Os Senhores do Norte
A Canção da Espada
Terra em Chamas
Morte dos Reis
O Guerreiro Pagão
O Trono Vazio


Minha classificação para esse livro é de  6/6- "Obra-prima".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.

O Cavaleiro da Morte - Crônicas Saxônicas #2 Cornwell, Bernard. Editora Record, 2007, 392 p.


Nenhum comentário:

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela