"O Oráculo Oculto - As Provações de Apolo vol. 1", de Rick Riordan

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Lembre-se: você é lindo e todo mundo ama você.
Imagine você, um deus de quatro mil anos despencando no meio de uma lixeira em um beco de Nova York. Um deus outrora o mais lindo do Olimpo, reduzido a um adolescente comum cheio de espinhas e sem barriga tanquinho, se espatifando numa caçamba de lixo e tendo como ajuda apenas uma garota maltrapilha e esquisita. Agora ele precisa saber qual foi a causa de sua punição e, enquanto isso, servir à sua nova amiga, uma semideusa não domesticada que acaba requisitando seus serviços. Esse é um resumo do mote principal de O Oráculo Oculto, novo livro de Rick Riordan, autor da série Percy Jackson e os Olimpianos, E, sim, Percy Jackson aparece neste livro, assim como o Acampamento Meio Sangue.

Os deuses do Olimpo todos sabem o quanto eu estava precisando de uma leitura como essa. Eu andei com as leituras muito paradas esse ano devido a alguns problemas como novo emprego, vício em Facebook e séries e li realmente pouco (não vou dizer quantos livros pra não rolar um bullying da parte de vocês, mas só posso dizer que foi vergonhoso demais). O que eu mais queria era um livro bem leve e que me prendesse. Assim que a Intrínseca lançou esse aqui, vi a sinopse e quis na hora! Sabia que seria a solução dos meus problemas. E não me decepcionei. Nem vou enrolar muito e vou logo dar minha opinião: o livro é ótimo! Engraçado, leve, divertido, uma leiturinha bem adolescente que refresca qualquer mente cansada dos problemas da vida. 

Apolo é um dos personagens mais cativantes que já tive o prazer de conhecer nesses muitos anos de leitora. Sério. Ele é extremamente cativante, divertido e me fez dar altas gargalhadas enquanto lia, coisa que há muito tempo não fazia. Suas provações são a coisa mais engraçada que li em tempos. Suas lembranças dos tempos antigos misturadas com as modernidades dão um toque cultural e informativo sem ser didático (você aprende sobre outros mitos como Dafne e Jacinto, por exemplo), o que já é uma marca registrada de Riordan desde a saga de Percy Jackson; ele se insere em fatos "reais" da Humanidade de modo realmente cativante, como:
Castiguei com uma praga os gregos que sitiaram Troia. Abençoei Babe Ruth com três home runs no quarto jogo da Série Mundial de 1926. Despejei minha ira contra Britney Spears no Video Music Awards de 2007.
Eu não era massacrado com tanta violência desde minha competição de guitarra com Chuck Berry em 1957.
Zeus não respondeu. Devia estar ocupado demais gravando minha humilhação para postar no Snapchat.
Eu escutava uma música no Spotify e pensava: "Ah, essa é nova!" Aí, percebia que era o "Concerto para piano n°20 em ré menor" de Mozart, de mais de duzentos anos atrás.
Lembrei-me daquele dia nos estúdios da Abbey Road, quando minha inveja me fez espalhar o rancor nos corações de John e Paul e separar os Beatles.
Durante a Revolução Francesa, fiquei preocupado com meu filho Luís XIV, o Rei Sol, aí fui dar uma olhada nele e descobri que tinha morrido setenta e cinco anos antes.
Eu poderia passar o resto do dia postando frases de Apolo, mas essas aí dão uma ideia do que eu quero dizer.

Não posso me esquecer de falar dos outros personagens, claro (bem que Apolo gostaria que eu fizesse essa resenha falando apenas dele...). Entre os semideuses temos Meg McCaffrey, a garota maltrapilha de sangue quente que está sempre ao lado dele; os filhos de Apolo (pense em quão esquisito é você ter a aparência de um adolescente de dezesseis anos e encontrar seus filhos), entre eles Will Solace, que tem um relacionamento com o filho de Hades, Nico di Angelo, que fez sua primeira aparição na série de Percy Jackson (e Apolo não vê problema nenhum nisso. Ele mesmo já namorou dezenas de homens e mulheres. Um de seus maiores amores foi Jacinto. Apolo é o maior deus bissexual que você respeita) e alguns outros semideuses coadjuvantes, como destaque para Paulo, brasileiro, que não fala uma palavra em inglês, mas que tem um lenço do Brasil abençoado. Não posso falar dos vilões pois estaria dando spoiler, mas vou dar uma dica: ROMA ANTIGA! Pois é.

Entre demônios de frutas, estátuas imensas incrivelmente belas e nuas, formigas gigantes, bosques malucos, deuses hippies e um deus cheio de personalidade, a história se desenvolve de modo leve e fluido, assim como a escrita de Riordan, impecável como sempre. As Provações de Apolo é uma série nova e diferente, mas contém muitas referências aos livros anteriores, e é meio que uma continuação da saga anterior, Os Heróis do Olimpo. Eu, que não li a saga anterior, me senti muito perdida em algumas partes, mas nada que atrapalhasse a leitura. Porém, já vou reparar esse erro em breve e começar O Herói Perdido, o primeiro livro da coleção. Se eu recomendo O Oráculo Oculto? DESESPERADAMENTE! Você PRECISA ler esse livro! É o melhor livro que li esse ano e para quem gosta de Riordan esse livro é uma pérola. Comece logo! E que Apolo abençoe você nessa jornada (se ele voltar a ser um deus...)

Minha classificação para esse livro é de  6/6- "Obra prima".
Veja a cotação do livro no SKOOB e a opinião de outros leitores.

O Oráculo Oculto - As Provações de Apolo #1. Riordan, Rick. Editora Intrínseca, 2016, 320 p.


Nenhum comentário:

{Lendo} Dominique

No Facebook:

{Lendo} Daniela